Café da Manhã com Albino da Conceição

Programa Café da Manhã da LAC, edição de 11 de Junho de 2024, com José Rodrigues.

A conversa desta edição é com Albino da Conceição, antigo ministro da Juventude e Desporto. Nasceu a 15 de Novembro de 1963 e iniciou a sua formação média no Instituto Normal de Educação Física (INEF).

Albino da Conceição adiantou que o seu encaminhamento no ramo da Educação Física foi visto de forma inversa, por não se considerar ser o seu lugar de actuação.

O convidado de hoje foi também ministro da Juventude e Desporto, tendo sido formado em sociologia desportiva.

Actualmente, actua em diversos sectores, sobre tudo na cultura, mas concretamente nas artes cénicas.

 

Data de Emissão: 11-06-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com o professor Eduardo Chiloya

Programa Café da Manhã da LAC, edição de 04 de Junho de 2024, com José Rodrigues.

A conversa desta edição é com a professor Eduardo Chiloya, ele que é formador da Escola Nacional de Administração e Políticas Públicas, é graduado em Recursos Humanos e possui um mestrado em Gestão e Supervisão Pedagógica.

É natural da Huíla, nascido na cidade do Lubango. Recentemente deu uma palestra, uma ação motivadora durante o Conselho Consultivo do Ministério dos Petróleos. 

 

Data de Emissão: 04-06-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da manhã com: Dr. Carlos Magalhães, Juiz Conselheiro Jubilado

Café da manhã com Dr. Carlos Magalhães – Natural do Porto Amboim, Juiz Conselheiro Jubilado,

O seu pai foi motorista de Amílcar Cabral, na C. A. D.A.,Gabela…”.

Juiz Conselheiro Jubilado, autor do livro, Responsabilidade Civil do Fornecedor face à Lei Angolana de Defesa do Consumidor – confronto com o Direito português

Docente na Universidade Metodista de Angola

 

Data de Emissão: 21-05-2024 às 07:30
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Poly Rocha
 

Programa Café da Manhã da LAC, edição de 14 de Maio de 2024, com José Rodrigues

A conversa desta edição é com uma figura que é destaque numa das maiores manifestações culturais de Angola, o carnaval de Angola. Poly Rocha que é uma figura que se revelou nos últimos 24 anos como comandante de um grupo carnavalesco, se revela também nos últimos anos como um fazedor de moda.

Data de Emissão: 14-05-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com a artista plástica Zita Sandão

Programa Café da Manhã da LAC, edição de 07 de Maio de 2024, com José Rodrigues

A conversa desta edição é com a artista plástica Zita Sandão, que é natural do Cuanza-Sul, nasceu a 25 de Junho de 1943 e tem uma carreira profissional ligada à banca até 1986, altura em que decide fazer formação em vários ramos da Arte como em Ikebana na Academia de Arranjo Floral Sanguetsu em 1988, em Lisboa, e em Arte Floral pela Escola Espanhola de Arte Floral, em 1992.

Em Outubro de 2023 a artista brindou o público com uma interessante exposição de uma obra, na ex- Casa de Cultura Brasil-Angola, no “instituto Guimarães Rosa”, em Luanda.

A obra, inaugurada no Instituto Guimarães Rosa, comportava 14 peças de artes inspiradas nas danças, gritos e indumentárias dos bailarinos mascarados Tchinganges.

“Memórias Guardadas” é a quarta exposição individual da artista plástica e ficou patente naquele espaço cultural até o dia 8 de Novembro do ano 2023.

A cerimónia de inauguração foi prestigiada pela presença da Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, que durante cerca de 30 minutos visitou a exposição, tendo ficado admirada com as obras expostas e recebido explicações detalhadas sobre algumas obras.

Entre as obras exposta destacam-se “Lágrimas”, “Maternidade Sagrada”, “Tchinganges Chefe Nganga”, “Tchinganges Terrível 1”, “Tchinganges Terrível 2”, “Minha Janela”, “Tchinganges Rei Sol”, “Tchinganges Nganga Colorido”, “Tchinganges Upiluca”, “Kora” e “Tchingange Soberano”.

A peça “Maternidade Sagrada” foi produzida com uma técnica mista, onde a artista utilizou flor, múcua fatiada, pau de café, entre outros elementos, numa clara homenagem da artista Zita Sandão a família.

Durante a apresentação, a artista explicou que em todas as suas exposições individuais produz uma obra de forma a enaltecer o papel da família na sua vida. Quanto a exposição, a artista explicou foi idealizada por conta de uma situação que viveu há muitos anos.

“Aos dez anos confrontei-me com uma dança horrível. Estava muito doente a caminho do hospital, vi umas figuras a dançarem, com roupas e máscaras estranhas e, desde aí, cresci com um desgosto por essas figuras. Nos dias actuais já percebo a beleza do trabalho dos Tchinganges ao ponto de me inspiraram a fazer uma exposição”, explicou.

Esse é precisamente, esclareceu, o motivo do título da exposição. “O ser humano regista tudo, sobretudo os piores momentos, por isso fui buscar uma experiência do passado para vos brindar com essa exposição”, disse.

Zita Sandão aproveitou o ensejo para agradecer a toda família e amigos pela presença, sobretudo pela participação da Primeira-Dama da República.

Data de Emissão: 07-05-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com a directora do Capital Humano do Banco BAI, Irene da Graça

Programa Café da Manhã da LAC, edição de 28 de Maio de 2024, com José Rodrigues

A conversa desta edição é com a doutora Irene Marine da Graça, que é responsável por uma área extremamente importante do Banco BAI (Banco Angolano de Investimento). É directora dos Recursos Humanos, ou de acordo ao novo conceito, é directora do Capital Humano.

É também apaixonada por fotografia, pelo desporto e sobretudo pela família, prova disto são as histórias interessantes apresentadas durante esta edição do programa.

Data de Emissão: 07-05-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com o Embaixador Miguel Bembe
O embaixador de Angola na Etiópia e representante Permanente Junto da União Africana (UA) e da UNECA, Miguel Bembe, é o convidado para esta edição do Café da Manhã, com José Rodrigues.
 
Miguel Bembe teve um percurso no Ministério das Relações Exteriores, onde foi consultor do antigo ministro Georges Chikoti, foi também director do gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística da direcção África no médio Oriente, onde dirigiu, enquanto técnico, vários assuntos correspondentes ao carácter bilateral de todos os países do continente africano.
 
O governante, nesta altura, acompanhou ainda questões ligadas a todas as organizações religiosas africanas de que Angola faz parte, no seio da União Africana.
 
Longo tempo depois, passou a dirigir uma Embaixada, cumprindo missões diplomáticas de dupla função, de carácter bilateral entre diversos países, como na República da Etiópia, Djibouti, Sudão e no Estado da Eritreia.

O embaixador reiterou a importância da paz no continente, durante a tomada de posse de Angola no assento do Conselho de Paz e Segurança da União Africana, onde declarou que o Estado angolano está ciente de que as ameaças causadas pela organização terrorista Al-Shabaab ultrapassam as suas fronteiras físicas e a região em que está inserida, necessitando, por isso, de uma resposta colectiva.

Segundo o diplomata, qualquer abordagem de resposta sobre os desafios na Somália recaem na criação de capacidades internas, para estar à altura da apropriação do processo e de se defender no longo prazo.

O embaixador sublinhou ainda que é fundamental ter-se em conta a avaliação feita pelas missões anteriores, para melhor projectar a proposta em discussão sobre as guerras ocorridas em África.

Data de Emissão: 16-04-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com José Manuel Pedrinho (Pedrito)
Data de Emissão: 09-04-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com Albino Malungo

Albino Malungo, tem 68 anos, é natural do Lunge, província do Huambo. Filho de Firmino Malungo e de Perpétua Malungo (ambos já falecidos). 

É diplomata e actualmente é embaixador de Angola na República da Zâmbia, é também embaixador Extraordinário e Plenipotenciário na República do Malawi, onde não é residente. 

Data de Emissão: 02-04-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com David Sambongo

David Sambongo – Licenciado em Ciências Políticas pela faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto, Pós-graduado em Agregação Pedagógica pela Universidade Lusíadas de Angola, docente e analista político, Comentarista, Palestrante em matéria de cidadania, participação política, democracia e boa governação.

Laçou o livro – Segurança Nacional e recursos naturais, uma análise geoestratégica sobre a influência do petróleo no desfecho do conflito civil nacional, 1992-2002.

Data de Emissão: 26-03-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com Ernesto Manuel Neto da Piedade

DR. Ernesto Manuel Neto da Piedade – Mestre em ciência médica especialista em neurocirurgia.

Ernesto Manuel Neto da Piedade é, na sociedade da medicina, uma das principais referências da Neurocirurgia em Angola.
Formado pela Universidade Agostinho Neto, com passagem pela Rússia, Brasil e África do Sul, o Doutor Piedade, como é carinhosamente tratado, é Mestre em Ciência Médica e Especialista em Neurocirurgia.
Nascido em Luanda, 4 de Setembro de 1958,foi Chefe dos Serviços de Assistência Médica Militar, Membro Fundador do Colégio de Neurocirurgia de Angola e seu Secretário Geral. Ele é o meu convidado no Café da Manhã desta terça feira.Nasceu em 1958 a 4 de setembro, em Angola, filho de Francisco Inácio da Piedade e de Balbina C
assinda, fez os seus estudos primários em Luanda. E fez também o liceu em Luanda. 

 

Data de Emissão: 12-03-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com Armando Machado

Armando Augusto Machado nasceu na província do Huambo, 2 de janeiro de 1940, é um empresário, dirigente desportivo e político angolano. Atualmente, é o Presidente honorário da Federação Angolana de Futebol.

Divorciado e pai de três filhas. Ao longo do tempo, desempenhou diversas funções, destacando-se como Sócio-Gerente da Arvime, Sócio-Gerente da Cosal, Diretor do Ministério dos Petróleos, Diretor Regional da Sonangol, Diretor do Ministério do Comércio Interno de Angola e presidente da Federação Angolana de Futebol. Chegando a integrar o poder legislativo, foi eleito deputadoà Assembleia Nacional de Angola na I Legislatura

Café da Manhã com Armando Francisco

Armando Francisco – Jornalista, foi editor de notícias na RNA, foi adido de Imprensa nas embaixadas de Angola nos EUA, no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, e é atualmente ministro conselheiro de angola na Turquia.

Formado em Jornalismo, relações Internacionais, Gestão de Segurança Corporativa e analise de risco e é especialista em comunicação.

Estudou em angola e Cuba.

Lançou o livro O discurso de um candidato o Dr. Jonas Malheiro Savimbi, eleições de 1992.

 

 

Café da Manhã com Benício Ezequias Chissolukombe

Café da Manhã com Benício Ezequias Chissolukombe.

É um nacionalista nascido no dia 16 de Janeiro de 1931, no Bailundo, província do Huambo. É filho de um carpinteiro de uma camponesa.

Data de Emissão: 20-02-2024 às 07:00
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Maria do Carmo Assis do Nascimento

Café da Manhã com Maria do Carmo Assis do Nascimento.

Antiga Combatente e Veterana da Pátria, presente na resolução de questões ligadas à família, infância e acção social.

PARTICIPANTES
Café da Manhã com Rui Falcão Pinto de Andrade

Café da Manhã com Rui Falcão Pinto de Andrade.

Café da Manhã em numa abordagem mais global sobre aquilo que são as perspetivas do Partido MPLA. seus pensamentos na atualidade, quando são decorridos 2 anos das últimas eleições e o ano 2024, naturalmente que apresenta grande desafios, sobretudo pelos reflexos que a própria situação econômica e social é da Angola, tem na agenda política. Rui Falcão, que o secretário, para informação do MPLA, é hoje o nosso convidado.

 

Data e Local de Nascimento: 02/12/60 – Namibe (Moçâmedes).
ANGOLA.
Profissão : Psicólogo
Curso Médio de Educação Física
Curso Superior de Psicologia
Trajetória Profissional:
1975/84—Oficial do Exército.
1985/89—Chefe de Departamento da Secretaria de Estado de Educação Física e Desportos
1989/92—Director Nacional do Ministério da Juventude e Desportos
1992/04—Deputado à Assembleia Nacional
Secretário do Grupo Parlamentar do Partido Maioritário
Vice-Presidente da Comissão para Educação, Ciência , Tecnologia e Comunicação Social
Membro da Comissão Constitucional
Membro do Comité Executivo da União dos Parlamentos Africanos
Representante do Parlamento Angolano para a União Mundial de Deputados Escuteiros – Wspu
Director do D.I.P

Data de Emissão: 30-01-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Tulinabo Mushingi - Embaixador dos EUA em Angola

Café da Manhã com o Tulinabo Mushingi

O convidado de hoje aqui neste seu café da manhã, e o senhor embaixador dos Estados Unidos da América em Angola, Tulinabo Mushingi. Portanto, um experimentado diplomata que passou por vários países africanos como representante do seu país. E está em Angola como embaixador, representando os Estados Unidos em Angola e também em São Tomé e Príncipe. Vamos falar do atual momento das nossas relações, ter relações entre Angola e os Estados Unidos. Vamos tentar fazer alguma projeção dessas relações. Ele vai tentar fazer alguma projeção? Desse relações, mas vamos inserir sobretudo sobre a sua atualidade. Até então, a conversa aqui com o senhor embaixador Tulinabo Mushingi.

Data de Emissão: 23-01-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Elias Miguel
 

Café da Manhã com o historiador Elias Miguel.

 

Data de Emissão: 16-01-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Homenagem a Ruy Mingas

Café da Manhã com

Ruy Alberto Vieira Dias Rodrigues Mingas (Luanda12 de maio de 1939 – Lisboa4 de janeiro de 2024) foi um cantorcompositordiplomataempresário e político angolano. Foi deputado no parlamento angolano, secretário com status de Ministro dos Desportos e embaixador de Angola em Portugal. Compôs a música do Hino Nacional de Angola.

Da sua obra discográfica destacam-se “Cantiga por Luciana”, “Poema da farra”, “Maquesu”,“Muadiaquimi”, “Birin birin”, “Monagambé”, “Adeus à hora da partida” e a muito aclamada “Meninos do Huambo”.

Biografia

Nascido na zona de Ingombota, em Luanda, foi filho de André “Mongone” Rodrigues Mingas e de Antónia Diniz de Aniceto Vieira Dias. Alguns dos irmãos de Ruy Mingas foram também figuras notáveis da história angolana, nomeadamente o político, cantor e compositor André Rodrigues Mingas Júnior, a linguista e investigadora Amélia Mingas, a atleta e administradora Júlia Rodrigues Mingas, o comandante policial José “Zé” Rodrigues Mingas e o economista, escritor e político Saíde Mingas.

Ruy Mingas pertenceu a uma família de influentes músicos angolanos. Do seu tio Liceu Vieira Dias recebeu o ritmo e uma nova maneira de interpretar a música angolana. Durante o seu percurso musical, Ruy Mingas desenvolveu a sua sonoridade própria no âmbito de concretizar o que o seu tio Liceu Vieira Dias sempre o pediu para fazer (“cultivar o [seu] ouvido musical”), influenciando assim outro músico angolano, o seu irmão André Rodrigues Mingas Júnior.

Ruy Mingas foi praticante de atletismo nas décadas de 1950 e 1960, tendo competido no salto em altura e 110 m barreiras, no Sport Lisboa e Benfica, sendo recordista no salto em altura em julho de 1960.

Teve participação em um dos programas Zip-Zip em 1969, e foi um dos artistas incluídos no primeiro disco do programa com a canção “Ixi Ami”. Posteriormente acabou gravando já pelo selo da Zip-Zip, que foi tornada uma subeditora da editora discográfica Companhia de Discos de Angola (CDA). Em 1970 lança seu primeiro álbum com o título “Angola”, bastante aclamado e regravado na Espanha, na França (com o título “Africa Negra”) e na Itália. A canção “Maquesu”, pela Zip-Zip, integrou o seu segundo álbum, intitulado “Temas Angolanos”, lançado em 1974. Este continha letras de poemas de Viriato da Cruz e Agostinho Neto, e contou com a participação de seu irmão André Mingas, do percussionista francês Daniel Louis e do pianista brasileiro Marcos Resende, com a produção de Thilo Krasmann.

Mesmo já tendo uma robusta carreira musical, na década de 1970 Ruy Mingas trabalhou como professor de educação física na Escola Preparatória D. António da Costa, em Almada, em Portugal. O período em Lisboa e Almada era também para estudo na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa.

Na Revolução dos Cravos, em abril de 1974, era o principal nome do corpo diplomático do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) em Portugal, sendo o responsável por iniciar as negociações pela independência angolana com os oficiais do Processo Revolucionário em Curso (PREC). Retornou a Angola para lutar nos combates finais da guerra de independência.

Em 9 de novembro de 1975 foi lhe dada a tarefa, por Agostinho Neto e Lúcio Lara, de ser o compositor da música Angola Avante!, o Hino Nacional de Angola, a partir da letra de Manuel Rui. Ele e Manuel Rui entregaram o hino em 11 de novembro de 1975, no dia da independência de Angola. Ainda dentro do fervor da proclamação de independência, foi um dos autores da muito aclamada canção “Meninos do Huambo“, lançada em 1976 e celebrizada em Portugal por Paulo de Carvalho.

Quando foi criada, em 4 de julho de 1979, a Secretaria de Estado para Educação Física e Desporto (SEEFD), pela primeira vez uma pasta com status de ministério autónomo para os desportos, Ruy Mingas assumiu a sua condução e foi ministro por 10 anos, período de pujante desenvolvimento no desporto de Angola. Organizou todo o processo de entrada de Angola no Comité Olímpico Internacional e a consequente participação, pela primeira vez, numa edição de jogos olímpicos (Jogos Olímpicos de Verão de 1980 em Moscovo). Outro feito extraordinário do seu período como secretário-ministro (acumulando também a Presidência em exercício da Zona 4 do Conselho Superior dos Desportos de África) foi a realização dos II Jogos da África Central em Angola, com abertura em 20 de agosto de 1981, no Estádio da Cidadela, onde participaram, nas cidades de Luanda, Huambo e Lubango, mais de 1 500 pessoas entre atletas e árbitros de 12 países nas modalidades de futebol, andebol, basquetebol, atletismo, boxe, ciclismo, voleibol e judô. Foi o responsável maior pela elaboração e concepção da política do desporto em Angola.

Após deixar a pasta ministerial de Educação Física e Desporto, tornou-se embaixador de Angola em Portugal, servido de 1989 e 1995, desempenhando um papel importantíssimo como principal diplomata angolano nos Acordos de Bicesse.

Em 2002, formou uma associação empresarial com Paulo Múrias e a “Fundação Minerva – Cultura, Ensino e Investigação Científica” para constituir uma franquia-filial da Universidade Lusíada em Angola. Desde então, era o principal acionista do polo universitário de Cabinda da referida universidade. Passou a ser docente universitário do curso de bacharelado em desporto e reitor da Universidade Lusíada. Também fundou no período a empresa Saber Angola e o selo musical Xi Amyé Mingas em parceria com a editora discográfica GMPAO.

Na década de 2010 foi nomeado pelo governo de Angola para presidir a Comissão de Revitalização do Desporto Escolar.

Em 2015, foi noticiado que pertencia à maçonaria, sendo membro da Loja Cónego Manuel das Neves, da qual foi líder, e que se encontra integrada na Grande Loja Legal de Portugal.[25]

Foi eleito deputado do Círculo Nacional da Assembleia Nacional na lista do MPLA nas eleições gerais de Angola de 2017, permanecendo em funções até 2021, quando pediu afastamento em razão de seu estado de saúde.

Ruy Mingas morreu a 4 de janeiro de 2024, em Lisboa, aos 84 anos, vítima de doença prolongada.

Data de Emissão: 09-01-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Ernestina Mateus

Café da Manhã com Professora Ernestina Mateus.

Data de Emissão: 09-01-2024 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Bispo Gaspar João Domingos

Café da Manhã com

Gaspar João Domingos, filho de João Domingos Manuel e de Inês José Gonçalves, nascido à 24 de Julho de 1961, no  antigo Distrito Provincial de Luanda, na comuna de Ságua(Margens do Kuanza) actualmente Província do Bengo, sétimo de um total de nove filhos, dos quais sete já falecidos (Viva – Madalena-1ª). Na companhia de seus pais com cerca de 2 anos no distante ano de 1963, veio à cidade capital de Luanda, passando a residir no actual município do Rangel, de onde um ano depois voltou a mudar-se para o município do Cazenga.

 

Concluiu seus estudos primários no ano de 1974 na Escola de nº 143 (Cuca); O ensino Preparatório no ano de 1977, na Escola Preparatória N’gola M’bandi (ex-Emídio Navarro); O ensino Liceal no ano de 1979, na Escola N’gola Kiluanji; O Instituto no ano de 1986, no Instituto Politécnico Makarenko, tendo concluído o Curso Médio, na Escola S.Carlos no Brasil; Cursou a Faculdade de Teologia no ano de 1987, no Instituto Metodista do Ensino Superior, no Brasil tendo feito estudos complementares de graduação no ano de 1996, no Instituto Ecumênico de Bossey (CMI), da Universidade de Genebra – Suíça. Sendo Mestrando na Universidade Pública de Évora, Portugal, na área de Ciências da Educação.

 

Teve como sua 1ª experiência de serviço remunerado aos 18 anos de idade, trabalhando no ano de 1979 no Ministério das Pescas (Gabinete do Ministro), como Escriturário Dactilógrafo de 2ª ; Pela necessidade de continuação dos estudos, demitiu-se, empregando-se no ano de 1981, no Ministério de Educação, como professor primário. Após o período de sua formação académica, no Brasil,  foi nomeado a trabalhar, no ano de 1988, pela Conferência Anual do Oeste de Angola da Igreja Metodista Unida, nas funções de Secretário para Actas e Documentos e concomitantemente de Pastor responsável no Ministério Pastoral dos Jovens- junto da Direcção Geral dos Jovens; No ano de 1990, recebeu nomeação Episcopal para pastorear a Igreja Metodista Unida de Galileia, vindo a acumular no ano de 1992, após sua eleição para o cargo de Secretário Geral  da Conferência Central de África da Igreja Metodista Unida, cargo atribuido pela 1ª vez na História do Metodismo em Angola à um angolano. Trabalhou nesta função até 1996.  Após 5 anos de trabalho consecutivos na Igreja de Galileia, foi no ano de 1994, no quadro da busca de intervenção das igrejas no processo de pacificação do País, transferido a trabalhar no Conselho de Igrejas Cristãs em Angola, como 1ºDirector no Departamento de Justiça, Paz e Reconciliação.

 

Tendo sido reconhecida a sua capacidade e o desempenho no seu trabalho, foi indicado pela Igreja Metodista, como candidato a sucessão ao cargo de Secretário Geral do Conselho de Igrejas Cristãs em Angola (CICA), tendo conquistado dois terço da confiança dos Líderes religiosos deste fórum ecuménico, o que valeu a sua eleição ao cargo no ano de 1998. De recordar que fora a 1ª vez nos mais de vinte anos de vida do CICA, que um Metodista, pese embora seja membro co-fundadora, ascendera á tão nobre posição.

 

Gaspar João Domingos é filho de pais cristãos, teve educação cristã desde tenra idade. Baptizado na Igreja Católica em 1962, no Metodismo frequentou com seus pais a Igreja Metodista Unida do km 7 (Bethel) nos idos anos de 1963. A mudança de residência por seus pais em 1964 levou-o a frequentar a Igreja Metodista Unida de Maria Madalena, no município do Cazenga. Esteve na classe infantil, até que no ano de 1974 com 13 anos foi reconfirmado na sua fé em Jesus Cristo, tendo sido enquadrado nas fileiras do Coro central da Igreja, bem como na Organização Juvenil da referida Igreja. No coro foi Mestre e regente; na igreja membro da Comissão de Música; na Juventude, Guia de Recreios local e distrital de Luanda, Secretário de actas e documentos e Director da Juventude. Foi indicado no ano de 1979 á coordenar o Programa da Escola Bíblica de Férias ao nível da Conferência Anual. Por se ter dedicado ao serviço da Igreja, foi beneficiado com uma Bolsa de Estudos na área de Teologia no Brasil. Findo o curso e regressado ao país, na 4ª Conferência da I.M.U.A., realizado na Igreja Central de Luanda (Distrito Eclesiástico de Luanda), foi recebido no ano de 1988, Membro a Prova da Conferência Anual do Oeste de Angola; na 6ª Conferência realizada na Igreja Metodista de Emaús (Distrito de Luanda), foi recebido no ano de 1990, á Plena Conexão e Diácono; na 8ª Conferência realizada no Distrito Eclesiástico do Kuanza Sul – Kibala, no ano de 1992, fora recebido à categoria de Presbítero da I.M.U.A., na C.A.O.A. Em seu ministério pastoral fora ainda indicado como Membro da Junta de Curadores do Seminário Emanuel Unido no Huambo; Membro da Junta do Ministério Ordenado da C.A.O.A. e igualmente da Conferência Central de África respectivamente. Professor ao Curso Conferencial de Estudos. Eleito Bispo no dia 17 de Agosto de 2000, na 9º Conferência Central de África da Igreja Metodista Unida, realizada em Maputo-Moçambique, e consagrado Bispo Metodista à 20 de Agosto de 2000. Em 19 de Agosto do ano de 2004 na Conferencia Central de Africa fora reeleito ao Episcopado tendo sido declarado Bispo Vitalício da Igreja Metodista Unida no mundo. Membro da Comissão Geral de Unidade da Cristã e Assuntos Inter-Religiosos, membro do Task Force da Iniciativa de Pensões das Conferencias Centrais de Africa, Europa e Asia, membro do Comité de Finanças do Concílio dos Bispos e membro da Comissão dos Assuntos das Conferencias Centrais da Conferencia Geral da Igreja Metodista Unida.

 

Casou-se aos 16 de Dezembro de 1983 em Luanda, com D. Lucrécia Manuel Alexandre Domingos, Técnica média de Ciências Físicas (Fisioterapia), e Licenciada em Saúde Pública e Análises Clínicas nascida em 11 de Maio de 1963, em Malange no município de Quizanga, filha de Manuel Alexandre e de Teresa Manuel. Desta união nasceram 6 filhos nomeadamente, Ariane Marcelina Domingos – nascida aos 27 de Setembro de 1984(Brasil); Ismael Alex Domingos- nascido aos 5 de Setembro de 1986(Brasil); Taínes Sílvia Alexandre Domingos – nascida aos 5 de Janeiro de 1990(Cazenga); Elyeser Joel Domingos – nascido aos 27 de Maio de 1993(Cazenga); Terena Eunice Domingos – nascida aos 14 de Junho de 1995(Kilamba Kiaxi); e Gláucio Domingos- nascido aos 08 de Fevereiro de 1999(Kilamba Kiaxi).

Data de Emissão: 26-12-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Paulina Chiziane

Café da Manhã com

Paulina Chiziane cresceu nos subúrbios da cidade de Maputo, anteriormente chamada Lourenço Marques. Nasceu numa família protestante onde se falavam as línguas Chope e Ronga. Aprendeu a língua portuguesa na escola de uma missão católica. Começou os estudos de Linguística na Universidade Eduardo Mondlane sem ter concluído o curso.

Participou ativamente na cena política de Moçambique como membro da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), na qual militou durante a juventude. A escritora declarou, numa entrevista, ter apreendido a arte da militância na Frelimo. Deixou, todavia, de se envolver na política para se dedicar à escrita e publicação das suas obras. Entre as razões da sua escolha estava a desilusão com as directivas políticas do partido Frelimo pós-independência, sobretudo em termos de políticas filo-ocidentais e ambivalências ideológicas internas do partido, quer pelo que diz respeito às políticas de mono e poligamia, quer pelas posições de economia política marxistaleninista, ou ainda pelo que via como suas hipocrisias em relação à liberdade económica da mulher.

É a primeira mulher que publicou um romance em Moçambique. Iniciou a sua atividade literária em 1984, com contos publicados na imprensa moçambicana. As suas escritas vem gerando discussões polémicas sobre assuntos sociais, tal como a prática de poligamia no país. Com o seu primeiro livro, Balada de Amor ao Vento (1990), a autora discute a poligamia no sul de Moçambique durante o período colonial. Devido à sua participação ativa nas políticas da Frelimo, a sua narrativa reflete o mal-estar social de um país devastado pela guerra de libertação e os conflitos civis que aconteceram após a independência.

Paulina vive e trabalha na Zambézia. O seu romance Niketche: Uma História de Poligamia ganhou o Prémio José Craveirinha em 2003.

Em 2016, anunciou que decidiu abandonar a escrita porque está cansada das lutas travadas ao longo da sua carreira.

Em 2021, tornou-se a primeira mulher africana a ser distinguida com o Prémio Camões, a mais prestigiosa honraria conferida a escritores lusófonos, patrocinada pelos governos de Brasil e Portugal. Sobre o inédito reconhecimento, declarou Paulina: “Não contava com isso. Recebi a notícia e disse: ‘Meu Deus! Eu já não contava com essas coisas bonitas!’ É muito bom. Esse prêmio é resultado de muita luta. Não foi fácil começar a publicar sendo mulher e negra. Depois de tantas lutas, quando achei que já estava tudo acabado, vem esse prêmio. O que eu posso dizer? É uma grande alegria.”

Prémios e Reconhecimento

Obras Seleccionadas

Entre as suas obras encontram-se:

Romance

Outras obras

  • Eu, mulher… por uma nova visão do mundo (Testemunho, em 1992 e publicado em 1994)

Obras sobre Paulina Chiziane

  • MARTINS, Ana Margarida Dias. The Whip of Love: Decolonising the Imposition of Authority in Paulina Chiziane’s Niketche: Uma História de Poligamia. in The Journal of Pan African Studies, vol. 1, n.º 3, março de 2006.
  • PEREIRA, Ianá de Souza. Vozes Femininas de Moçambique. Dissertação de mestrado apresentada ao departamento de Letras da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Trata-se de uma análise comparativa dos romances Ventos do Apocalipse (1999) e Niketche: uma história de poligamia (2004), na qual se discutem as representações e o papel social da mulher em romances que se pautam na intensa força das relações sociais que informam a maneira de agir de homens e de mulheres em Moçambique.
  • SILVA, Érica, Paulina Chiziane e a voz feminina moçambicana através do texto literário (2019), Revista Darandina.
  • TEDESCO, Maria do Carmo Ferraz. Narrativas da Moçambicanidade: Os Romances de Paulina Chiziane e Mia Couto e a Reconfiguração da Identidade Nacional. Tese apresentada ao Departamento de História da Universidade de Brasília. Brasília, novembro de 2008.
Data de Emissão: 19-12-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Jorge Carlos de Almeida Fonseca

Café da Manhã com Jorge Carlos de Almeida Fonseca GColIHGColLGColCaGCNSC (Mindelo, 20 de outubro de 1950) é um político, jurista e professor universitário cabo-verdiano. Foi presidente da República de Cabo Verde entre 2011 e 2021, apoiado pelo Movimento para a Democracia (MpD) e reeleito nas eleições presidenciais de 2016, também apoiado pelo Movimento para a Democracia (MpD).

Biografia

Realizou, com distinção, os seus estudos primários e secundários (no Liceu Domingos Ramos) no país de origem. É Licenciado em Direito e Mestre em Ciências Jurídicas, pela Faculdade de Direito de Lisboa, tendo obtido a classificação de Muito Bom. Foi Assistente Graduado na Faculdade de Direito de Lisboa, durante vários anos, tendo lecionado designadamente as disciplinas de Processo Civil III (Recursos), Direito Penal e Direito Processual Penal.

Foi investigador na área do Direito Penal no Instituto Max-Planck, em Freiburg im Breisgau (Alemanha – 1986), Professor de Direito e Processo Penal no Instituto de Medicina Legal de Lisboa e Diretor Residente e Professor Associado Convidado em Macau (1989-1990). A sua vasta obra científica nas áreas do Direito Penal, Processual Penal e Constitucional – uma dúzia de livros e mais de cinquenta trabalhos doutrinários em revistas – está publicada em mais de uma dezena de países. Tem igualmente várias dezenas de escritos sobre política, cultura, democracia, direitos humanos e cidadania, em revistas da especialidade cabo-verdianas e estrangeiras.

Foi presidente e professor do Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais de Cabo Verde e presidente da Fundação «Direito e Justiça», sendo, também, um de seus principais fundadores.

Participou na elaboração da Constituição de Cabo Verde (1992) e, enquanto jurisconsulto e investigador, foi o autor de variados projetos de diplomas que marcam os contornos da nova ordem jurídica cabo-verdiana, designadamente dos Projetos dos novos Códigos Penal e de Processo Penal, da Lei de Execução das Sanções Criminais, do Projeto de Lei de Apoio às Vítimas de Crimes Violentos e da Lei das Infrações Fiscais Aduaneiras. Dirigiu e coordenou o «Estudo sobre o Estado da Justiça em Cabo Verde» (2001).

Participou, como perito contratado pelas Nações Unidas, nos trabalhos de elaboração da Constituição de Timor-Leste (2001 e 2002).

É fundador da revista «Direito e Cidadania» que se edita, em Cabo Verde, desde 1997. Figura como colaborador permanente da Revista Portuguesa de Ciências Criminais e como membro do Conselho Editorial da Revista de Economia e Direito (UAL- Portugal).

Militou pela independência de Cabo Verde, desde os dezessete anos de idade, nas estruturas clandestinas do PAIGC. Durante o regime de partido único e em rutura com ele (1979), fundou os C.C.P.D – Círculos Cabo-verdianos para a Democracia (1980) e a Liga Cabo-verdiana dos Direitos Humanos (1982).

Foi diretor-geral da Emigração e Serviços Consulares do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde e o primeiro secretário-geral desse Ministério (1975-1979).

Esteve ligado à fundação do MpD e foi o primeiro ministro dos Negócios Estrangeiros da 2.ª República (1991 e 1993), tendo, nessas funções, conseguido que o país fosse eleito para o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

É também poeta, com dois livros publicados e colaboração dispersa em dezenas de publicações nacionais e estrangeiras.

Figura em várias antologias literárias publicadas em Cabo Verde, Portugal, Brasil e Cuba e em diversas obras coletivas e de estudos literários.

Ensaísta literário e cronista, foi conferencista sobre temas jurídicos, culturais, literários e políticos, em Cabo Verde, Guiné-Bissau, Portugal, Brasil, Espanha, Senegal, Estados Unidos da América, Macau, México, Turquia, Japão, Angola, Áustria e Hungria.

É Cidadão Honorário da Cidade Velha (Património Mundial) e Sócio Emérito do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.

A 23 de novembro de 2017, foi agraciado com o Doutoramento Honoris Causa pela Faculdade de Direito de Lisboa, numa cerimónia que decorreu na Aula Magna.

Presidente da República de Cabo Verde

Foi candidato a Presidente da República nas eleições de 2001, concorrendo contra Pedro Pires. Foi novamente candidato nas eleições de 7 de agosto de 2011, desta vez apoiado pelo MpD, vencendo-as na 1.ª volta (com 38% dos votos) e na 2.ª disputada volta (com 54,16%) contra o candidato apoiado pelo Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Manuel Inocêncio Sousa, tornando-se assim o 4.º presidente da História de Cabo Verde independente e o segundo não pertencente ao PAICV.

Foi agraciado com três graus de ordens honoríficas portuguesas: Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique (11 de junho de 2012), Grande-Colar da Ordem da Liberdade (10 de abril de 2017) e Grande-Colar da Ordem de Camões (8 de novembro de 2021). Foi ainda agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa de Portugal, que lhe foi pessoalmente entregue por D. Duarte, Duque de Bragança, a 12 de novembro de 2012.

Em 9 de julho de 2020, anunciou que promulgou o diploma que institui a Zona Económica Especial de São Vicente (ZEEMSV), que tinha sido levado pelo Governo ao parlamento em fevereiro desse ano.

Data de Emissão: 12-12-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com António Valeriano

Café da Manhã com António Valeriano.

“António Domingos Valeriano foi um militar de fortes convicções que, ao longo do tempo, prestou relevantes serviços militares nos processos de luta à causa dos sublimes interesses da nação angolana, cumprindo com zelo, dedicação e sentido patriótico as missões que sempre lhe foram confiadas”, disse o secretário de Estado para os Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Domingos Tchikanha.

Durante a leitura do elogio fúnebre, Domingos Tchikanha acrescentou que o malogrado foi “um destacado combatente que soube emprestar um notável contributo na luta para a conquista da paz e defesa da pátria”, frisando ter sido “um combatente íntegro e invulgar na simplicidade e afável no trato social com os outros”.

Para o secretário do Bureau Político do MPLA para os Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Pedro Neto, a morte do tenente-general diminui a possibilidade de as gerações vindouras vivenciarem a narração da primeira pessoa que participou da Batalha do Cuito Cuanavale e, igualmente, em outros confrontos militares. “O tenente-general António Domingos Valeriano destacou-se como um dos mais intrépidos comandantes da história militar, que soube interpretar e aplicar na prática os anseios mais nobres do povo angolano ao longo do prolongado conflito armado que assolou o país, com uma vasta e reconhecida experiência militar”, reconheceu o general Pedro Neto.

Por último, acrescentou que o militar tinha qualidades invulgares, dentre elas, a capacidade de tornear as dificuldades nas frentes de batalha e a inteligência de usar a simplicidade e o exemplo pessoal para mobilizar os subordinados e, deste modo, responder ao chamado de dever, quando fosse necessário defender de armas na mão a inviolabilidade do solo pátrio.

António Domingos Valeriano nasceu a 10 de Outubro de 1956, no município da Caála, província do Huambo. No percurso militar, o tenente-general destacou-se como um dos comandantes da histórica e vitoriosa Batalha do Cuito Cuanavale, travada a 23 de Março de 1988, que deu o ponto da viragem decisiva na guerra em Angola, com implicações regionais, e permitiu os acordos de Nova Iorque, responsáveis pela Independência da Namíbia e pelo fim do regime do apartheid, na África do Sul.

Data de Emissão: 05-12-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Francisco Durão Ferreira Alegre Duarte

Francisco Durão Ferreira Alegre Duarte – Nasceu em 9 de agosto de 1973, em Argel, Argélia; licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra; pós-graduado em Relações Internacionais pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa; aprovado no concurso de admissão aos lugares de adido de embaixada, aberto em 5 de junho de 1997; adido de embaixada, na Secretaria de Estado, em 19 de fevereiro de 1998; terceiro secretário de embaixada, em 12 de maio de 1999; membro da Missão de Observação do Governo português ao processo de consulta popular em Timor Leste, de 4 de junho a 14 de setembro de 1999; assessor no Gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Europeus, em 28 de outubro de 1999; adjunto diplomático do Primeiro-Ministro, em 5 de fevereiro de 2001; na Secretaria de Estado, em 6 de abril de 2002; segundo-secretário de embaixada, em 20 de fevereiro de 2003; na Representação Permanente na ONU, em 3 de março de 2003; primeiro-secretário da Embaixada, em 20 de fevereiro de 2006; adjunto no Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Europeus, em 23 de agosto de 2006; Chefe de Divisão para as Relações com os Países da América do Norte, na Direção de Serviços das Américas da Direção-Geral de Política Externa, em 4 de novembro de 2008; na Embaixada em Luanda, em 7 de outubro de 2009; conselheiro de embaixada, em 20 de outubro de 2010; na Embaixada em Roma, em 24 de setembro de 2012; Diretor de Serviços das Relações Bilaterais, da Direção-Geral dos Assuntos Europeus, em 29 de agosto de 2016; Subdiretor-Geral de Política Externa, em 31 de outubro de 2018; assessor no Gabinete do Primeiro-Ministro, em 26 outubro de 2019.

Data de Emissão: 28-11-2023 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Agostinho Van-Dúnem

Agostinho de Carvalho dos Santos Van-Dúnem  nasceu no Sambizanga (Luanda), em Angola.

No dia 28 de março 2023 foi nomeado pelo Presidente João Lourenço para a função de Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário de Angola nos Estados Unidos da América.

Licenciado em Relações Internacionais pela Universidade do Minho, Agostinho Van-Dúnem iniciou a carreira em 1998 como Assistente da Assessoria Diplomática da Presidência da República de Angola. Nesta qualidade, durante mais de 20 anos, colaborou activamente na estruturação de dossiers relevantes sobre as relações internacionais do Governo da República de Angola, principalmente no continente africano.

Agostinho Van-Dúnem tem o grau de Mestre em Governança e Gestão Pública (FGV). Exerceu a função de Secretário-Geral do MIREX (Ministério das Relações Exteriores), tendo desempenhado papel fundamental na concepção e implementação de novos modelos de gestão das missões diplomáticas, a par da participação em dossiers da política externa e diplomacia.

Eleito Deputado da Assembleia Nacional (Parlamento da República de Angola) na IV Legislatura (2017-2022) e na V Legislatura (2022-2027), Agostinho Van-Dúnem foi sucessivamente membro da Comissão de Assuntos Constitucionais e Jurídicos e Vice-Presidente da Comissão de Relações Exteriores e Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas na Exterior, tendo sido igualmente eleito membro da Comissão de Paz e Segurança do Fórum Parlamentar da CIRGL (Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos).

A comunidade angolana nos Estados Unidos da América e nos outros países de cobertura diplomática, estará no centro das atenções da Missão Diplomática que vai reforçar o diálogo e a defesa dos seus interesses nos países de cobertura.

Com assinalável percurso técnico, político e na carreira diplomática, Agostinho Van-Dúnem considera que, fortalecendo as relações bilaterais, a sua principal missão é colocar os Estados Unidos da América como o principal parceiro estratégico de Angola, em especial nos domínios da paz, defesa e segurança nas regiões africanas, bem como na área do desenvolvimento sustentável, comércio internacional, ambiente e energias renováveis.

Data de Emissão: 21-11-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Jean Michel Mabeko-Tali

O meu Café da Manhã de hoje é tomado em Washington, onde reencontrei, mais de vinte anos depois, Jean Michel Mabeko-Tali, doutorado em História pela Universidade Paris VII-Denis Diderot, mestre em Estudos Africanos pela Universidade Bordeaux III e licenciado em História e Geografia pela Universidade de Saint-Etienne, em França.

Nos EUA é professor catedrático de História de África na Universidade de Howard, aqui em Washington. Em Angola, onde esteve radicado em 1976, foi docente no ensino médio e na Universidade Agostinho Neto. É especialista na história política de Angola. Foi membro do Comité Científico Internacional da UNESCO para o Uso Pedagógico da História Geral de África.

Data de Emissão: 14-11-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Nino Republicano

Nino Republicano

Fernando Inácio Vasco Republicano (Luanda, 28 de julho de 1979), é um empresário angolano, com atividades ligadas ao entretenimento centradas no seu país e Portugal. É o fundador e chefe executivo (CEO) da LS & Republicano.

Biografia

Fernando Republicano nasceu em Luanda, capital de Angola, cresceu em um ambiente militar , porque seu pai foi do regime militar , e era ausente motivo esse que fez o menino Republicano começar a organizar eventos pagos em sua casa usando a sua mesada . E depois formou um grupo de amigos que se divertiam dando festas. Juntos criaram a M.R, inicialmente Mota e Fernando Republicano, depois Dj Malvado e Fernando Republicano. Nessa altura descobriram e lançaram o DJ Kapiro que se tornou Dj oficial dessas festas. E depois de alguns anos os négocios não estavam correndo bem para ele, e foi mesmo nesse momento que conheceu o empresário e general Bento Kangamba que decidiu investir nele. Anos mais tarde e já sozinho, Fernando Republicano cria a Republicano Eventos e a LS & Republicano. O primeiro artista que ele lançou foi Nicol Ananaz que fez sucesso com o seu hit “Mboia”. Logo depois assina o Anselmo Ralph e lança os primeiros álbuns do cantor. E continua com as suas atividades até os dias de hoje.

LS & Republicano

A LS & Republicano é a gravadora, selo fonográfico, empresa de eventos e de gestão de talentos angolana fundado em 2007 por Fernando Republicado.

A LS & Republicano começa como um grupo de amigos que se queriam divertir dando festas. Juntos criaram a M.R, inicialmente Mota e Fernando Republicano, depois Dj Malvado e Fernando Republicano. Nessa altura descobriram e lançaram o DJ Kapiro que se tornou dj oficial dessas festas.

Anos mais tarde e já sozinho, Fernando Republicano cria a Republicano Eventos e a LS & Republicano. Empresas de eventos e agenciamento artístico. O primeiro artista lançado foi Nicol Ananaz que fez sucesso com o seu hit “Mboia”. Logo depois assina um contrato com Anselmo Ralph e lança os primeiros álbuns de sucesso do cantor. Artistas como: Yola Araújo, Yuri da Cunha, Zona 5,Wet Bed Gang representam apenas alguns dos vários nomes de grandes músicos que já foram agenciados pela LS & Republicano.

PARTICIPANTES
Café da Manhã com Embaixador de Israel, Shimom Solomon

O conflito entre Israel e o Hamas está na agenda internacional como mais um daqueles polémicos temas da actualidade. Entre causas e efeitos o mundo testemunha um dos momentos mais preocupantes à par de outros conflitos que graçam pela Europa e África.

Shimom Solomon, nascido na Etiopia, cedo emigrou para Israael, isto em 1980. Hoje é o Embaixador de Israel em Angola, RDC, Moçambique e S. Tomé. É com ele o Café da Manhã deste terça-feira, 24 de Outubro, das 07h00 às 8h30, na LAC. Comecemos pela sua versão!

Data de Emissão: 24-10-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Sam Mangwana
 

Café da Manhã com Sam Mangwana.

Samuel Mangwana, nasceu a 21 de Fevereiro de 1945, na então Leopoldville, actual Kinshasa , capital da República Democrática do Congo. Os pais de Mangwana eram oriundos de Mucaba, província do Uíge.

Mangwana fez a sua estreia profissional em 1963 com a banda de rumba do Congo-Kinshasa, African Fiesta , de propriedade e liderada por Tabu Ley Rochereau.

Mangwana atravessou o rio Congo para Brazzaville, onde formou um grupo de curta duração chamado Los Batchichas, trabalhou com a mais estabelecida Negro Band e Orchestre Tembo. Mais tarde regressa a Kinshasa, onde se juntou a Tabu Ley, cuja banda era conhecida como African Fiesta National.

Em 1967, Sam Mangwana saiu novamente para formar o Festival des Maquisards. A banda incluía artistas notáveis os vocalistas Dalienst e Madilu System , o guitarrista Dizzy Mandjeku e o guitarrista solo Michelino . Dois anos depois, Sam Mangwana estava em movimento novamente. Gravou duos com um guitarrista Jean Paul “Guvano” Vangu, até 1972.

Em 1972 ingressou no TP OK Jazz , liderado por Franco. Mangwana frequentemente actuava como vocalista principal nas composições do guitarrista Simaro Lutumba. A sua popularidade aumentou durante este tempo. Esta aproximação a Simaro rende-lhe três sucessos: “Ebale ya Zaire”, “Cedou” e “Mabele”.

O artista em movimento, como mais tarde ficou conhecido, Sam Magwana deixou o OK Jazz e se juntou à banda de Tabu Ley, AFRISA. Em seguida, partiu novamente, desta vez mudando-se para Abidjan , na Costa do Marfim , na África Ocidental . Em 1978 formou, junto com outros, a banda African All Stars .

Em 1979 a banda African All Stars desintegrou-se, foi o momento em que Sam Magwana se tornou um artista a solo tendo gravado nesta época com o apoio de várias combinações de músicos: Maria Tebbo (1980) com remanescentes dos All Stars, Coopération (1982) com Franco, Canta Moçambique (1983) com Mandjeku, e os discos com o saxofonista Empompo Loway sob os nomes Tiers Monde Coopération e Tiers Monde Revolution foram destaques da sua carreira na década de 80.

Devido às suas frequentes idas e vindas, ganhou o apelido de “pombo voyageur” (pombo viajante). Na década de 2000, Mangwana passava a maior parte do tempo em Angola , saindo periodicamente para realizar concertos na Europa.

PARTICIPANTES
Café da manhã, edição com Ricardo Viegas D’Abreu
  • • Filiação: Carlos Viegas de Abreu e de Zita Sandão Viegas de Abreu

    • Data de nascimento: 10 de Setembro de 1969

    • Naturalidade: Província de Luanda

Formação Académica

  • • 1996 – Master in Business Administration, University of Bath, Reino Unido

    • 1994 – Licenciatura em Economia pela Universidade Lusíada, Lisboa, Portugal

 

Experiência Governativa

  • • De 2022 à presente data, Ministro dos Transportes

    • 2017/2018 – Secretário do Presidente da República para os Assuntos Económicos

 

Experiência Profissional

  • • 2017 – Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva do Banco de Poupança e Crédito de Angola (BPC)

    • 2016/2017 – Consultor do Ministro das Finanças

    • 2016/2017 – Presidente do Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Activos, S.A. – RECREDIT

    • 2015/2018 – Vice-Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Bolsa de Divida e Valores de Angola, SGMR, SA – BODIVA

     • 2009/2015 – Vice-Governador do Banco Nacional de Angola (BNA)

    • 2002/2006 – Director de Estudos e Projectos, Financeiro e Internacional

    • Director Comercial e Consultor para a estratégia de arranque do Banco Africano de Investimentos

    • 1997/2002 – Fundador, Director Financeiro e Internacional, Banco Angolano de Investimentos, S.A.

 

Outras Referências

  • • 2008/2009 – Membro da Comissão Instaladora do Fundo Soberano de Angola

    • 2006/2008 – Membro Fundador e Vice-Presidente do Conselho de Administração do Banco de Negócios Internacional S.A.

Idiomas

  • • Inglês e francês

Ricardo Daniel Sandão Queirós Viegas D’ Abreu

Ministro dos Transportes

Ricardo Daniel Sandão Queirós Viegas D’Abreu, concluiu a Licenciatura em Economia, pela Universidade Lusíada de Lisboa, Portugal. Tornou-se Mestre, MBA – Master in Business Administration, pela University of Bath, tendo defendido a tese “As oportunidades do sector dos hidrocarbonetos na África SubSahariana”. Em 1997, fez parte da equipa fundadora do primeiro banco privado angolano, o actual, BAI – Banco Angolano de Investimentos, tendo exercido várias funções de Direcção e Coordenação. Em 2006 foi co-fundador do BNI – Banco de Negócios Internacional, no qual exerceu funções de Vice-Presidente do Conselho de Administração. 

Em 2008, foi membro da Comissão Instaladora do Fundo Soberano de Angola e Membro do Grupo Técnico de Apoio ao Conselho de Ministros. Em 2009, foi nomeado Vice-Governador do Banco Nacional de Angola com responsabilidade sobre as áreas de Política Monetária, Estudos Económicos, Estatística, Desenvolvimento Organizacional, Tecnologias de Informação, Sistema de Pagamentos e coordenação de políticas com o Governo, destacando-se a coordenação e liderança do processo de adequação do quadro legal e regulamentar em matéria de prevenção e combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, culminando com a criação da UIF – Unidade de Informação Financeira de Angola, interagindo com as diferentes autoridades nacionais e internacionais, tendo cessado funções em Fevereiro de 2015.

Em 2015, após a sua saída do BNA, para além ter lecionado cursos de pós-graduação da Universidade Católica do Porto, sobre Regulação e Supervisão do Sistema Financeiro e no curso MBA Atlântico, exerceu funções de Consultor do Ministro das Finanças nas áreas da Gestão Macroeconómica e Desenvolvimento do Sistema Financeiro, participado da emissão inaugural de Títulos Soberanos de Angola no mercado internacional, e Vice-Presidente da Mesa da Assembleia Geral da BODIVA – Bolsa de Valores e Derivados de Angola, bem como na criação do CNEF-Conselho Nacional de Estabilidade Financeira.

No início de 2017, foi eleito Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva do Banco de Poupança e Crédito, maior banco público angolano, tendo em Novembro desse mesmo Ano, sido convidado e nomeado para o cargo de Secretário do Presidente da República para os Assuntos Económicos. 

Actualmente, exerce a função de Ministro dos Transportes, cargo para o qual foi nomeado desde 20 de Junho de 2018, e reconduzido a 19 de Setembro de 2022, para um mandato de cinco anos.

Pratica Desporto, Membro fundador da Federação Angolana de Golfe, na qual exerce a função de Vice-Presidente da Mesa da Assembleia Geral, bem como exerceu funções equivalentes na Federação de Hóquei Patins. Leitura, Música e Arte, são os seus hobbies preferidos.

Café da manhã, edição com Apolinário Mendes de Carvalho,Embaixador da Guiné-Bissau em Angola

Apolinário Mendes de Carvalho, como novo embaixador do seu país para Angola. Apolinário Mendes de Carvalho, que até aqui exercia funções de embaixador na Bélgica, foi nomeado embaixador em Angola.

Apolinário Mendes de Carvalho, antigo representante permanente da Guiné-Bissau junto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP, foi nomeado embaixador para a Bélgica em junho de 2017 pelo ex-chefe de Estado José Mário Vaz.

Exercia cumulativamente o cargo de representante da Guiné-Bissau junto da União Europeia, funções que passam agora a ser assumidas por Alfredo Lopes Cabral, que cessa funções como conselheiro presidencial.

A Guiné-Bissau não tem embaixador em Angola há vários anos devido às sucessivas crises políticas internas registadas em Bissau, tendo a representação em Luanda sido garantida por encarregado de negócios.

Café da manhã, edição com Rui Carreira

Rui Carreira

Nome: Rui Paulo de Andrade Teles Carreira.

Lugar e data de nascimento: Luanda-Angola, 7 /7/ 1966.

Nacionalidade: Angolana.

 

Qualificações Académicas:

 

-Pós-graduado em Alta Direcção de Empresas – 2009 (PADE – AESE BUSINESS SCHOLL – IESE BUSINESS SCHOOL)

– Mestre em Finanças Empresariais – INSEEC (INSTITUT DES HAUTES ÉTUDES ECONOMIQUES ET COMMERCIALLES) Paris 2007/2008.

– Licenciado em Direito ano lectivo 2005/2006 –  Universidade Lusíada de Angola.

– 11ª Classe, Curso de Electrotecnia 1980-1984 – Instituto Politécnico Makarenko – Luanda.

 

Outras qualificações:

 

-Piloto-instrutor, 2003, Air Safety, Luanda, Angola.

– Instrutor de “Crew Resource Management, 2003,Air Safety, Luanda, Angola.

– Especialista em segurança de voo (investigação e prevenção de acidentes aeronáuticos), 1999, CENIPA, Brasília, Brasil.

– Piloto de linha aérea de aeroplanos, 1995, AVIB (Escola de Aviação de Belas), Luanda, Angola.

– Piloto comercial de aeroplanos, 1992, AVIB (Escola de Aviação de Belas), Luanda, Angola.

– Estado Maior de Aviação, 1989, Escola da Força Aérea Popular de Angola/Defesa Anti-aérea, Luanda, Angola.

– Técnico médio de mecânica aeronáutica, comando táctico de aviação, piloto de caça, Colégio Militar de Aviação, Krasnodar, Russia, 1987.

– Cursos IATA (Direito Aeronáutico, Gestão de Companhias Aéreas, Gestão de Crise)

 

 

Experiência profissional:

 

1- Piloto de caça da Força Aérea Angolana, 1987-1992.

 

Funções:

-Navegador de Esquadra.

– Navegador Principal de Regimento.

 

2– Piloto da aviação executiva:

 

 -1992– 1996, SAL, SARL;

–  1996-2006, SONAIR, SA).

 

Funções:

– Piloto comandante desde1998.

– Chefe de frota.

– Assessor da Direcção para a Segurança de voo, SONAIR,SA.

 

3 – Funções de Gestão:

 

– Membro da Comissão de Gestão da TAAG (2008-2010).

– Coordenador Adjunto do Comité de Refundação da TAAG (2008-2010).

 – Administrador Executivo da TAAG (2010-2013)

– Director Geral Adjunto do INAVIC (Instituto Nacional da Aviação Civil) (2013-2017)

 – Coordenador Adjunto da Comissão de Gestão da TAAG (Julho 2017-Dezembro 2017)

– Director Geral do INAVIC de Dezembro de 2017 até Setembro de 2018.

 – Presidente da Comissão Executiva da TAAG de Setembro de 2018 até Outubro de 2021.

– Administrador não executivo da TAAG desde Outubro de 2021.

 

Outros:

 

  • Presidente em Exercício da AFRAA Associação das Companhias Aéreas Africanas (2020-2021)
  • Presidente da Associação dos Pilotos de Angola (2000-2005).
  • Oficial da Forças Armadas Angolanas na reserva desde 1992.

 

Idiomas:

  • Português (língua materna)
  • Francês, inglês, russo e espanhol.

 

 

 

Luanda, 10 de Janeiro de 2022

Data de Emissão: 12-09-2023 às 07:00
Café da manhã, edição com Eugénio Costa Almeida e Mário Pinto de Andrade

Eugénio Costa Almeida – Investigador/Researcher, natural do Lobito, Angola, nascido em 4 de Novembro de 1956; com dupla nacionalidade angolana e portuguesa (na realidade tenho 4 nacionalidades, embora seja um cidadão do espaço global mundial: angolana, portuguesa, africana e lusófona).

  1. fase final de Pós-Doutoramento pela Faculdade de Ciências Sociais, da Universidade Agostinho Neto (Luanda, Angola) com o tema «Organizações Regionais e de Segurança Externa no Atlântico austral: os casos da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (ZOPACAS) e da Comissão do Golfo da Guiné»;
  2. Doutorado em Ciências Sociais, na especialidade de Relações Internacionais (no ISCSP-UTL ), em Novembro de 2010, com a Tese « “A União Africana e a emergência de Estados-Directores no Continente Africano: O Caso de Angola», sob a orientação pedagógica do Professor Doutor José Adelino Maltez (desta Tese resultou o livro “Angola, Potência Regional em Emergência”, edições Colibri, Lisboa, 2011);
  3. Mestrado em em Relações Internacionais, na especialidade de Sistemas Internacionais (obtido no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade Técnica de Lisboa – hoje Universidade de Lisboa), em Fevereiro de 2001), com a Dissertação «Fundamentalismo e Tolerância Político-Religiosa em África (Repercussões nas Relações Externas do Continente Africano)», sob orientação pedagógica do Professor Doutor António de Sousa Lara (a partir desta Dissertação foram elaborados os ensaios: “Fundamentalismo Islâmico: A Ideologia e o Estado”, edições Autonomia 27, Azeitão, 2003; e “África, Trajectos Políticos, Religiosos e Culturais, edições Autonomia 27, Azeitão, 2004;
  4. Licenciatura em Relações Internacionais (concluída na Universidade Lusíada de Lisboa, em 1991)

Mário Pinto de Andrade

A Instabilidade Política no continente Africano

Os conflitos e guerras nos países da África têm como causas principais: disputas territoriais e soberania política, divergências entre grupos étnicos e religiosos, domínio sobre os recursos naturais, crises políticas internas e governos autoritáriosEspecialistas apontam que a origem das condições de pobreza extrema e de instabilidade política na região deve-se à dominação colonial realizada a partir do século XIXA evolução lenta dos indicadores sociais em muitos países africanos e a própria estrutura da maioria das economias africanas também contribuem para a instabilidade.

Café da manhã, edição com Marcos Barrica

José MARCOS BARRICA natural de Cabinda, nascido a 25 de Abril de 1962. Professor de profissão, casado, pai, cristão católico apostólico, Iniciou a actividade laboral como professor aos 19 anos de idade so Labango onde estudou (ensino secundário médio e superior) vivendo ali parte significativa da juventude.

Concluiu a licenciatura em Ciências da Educação, especialidade de Psicologia pela Universidade Agostinho Neto /ISCED 1986; Mestrado em Desenvolvimento Pessoal e Intervenção Social pela Universidade de València-Espanha em 2003: Doutorado em Psicologia Evolutiva e Educacional pela Universidade de Valencia-Espanha em 2010.

Foi membro da Comissão de Gestão e de Reorganização da Universidade Agostinho

Neto em 1990-1991, nomeado pelo Presidente da República.

Enquanto estudante, foi dinamizador e dirigente do Movimento Associativo-Estudantil angolano, tendo sido eleito presidente nacional da AEES – Associação dos Estudantes do Ensino Superior.

Desempenhou funções de Estado, como Deputado & Assembleia do Povo (1986-1992). Deputado & Assembleia Nacional (1992-1999), membro do Conselho da República (1997-1993) Ministro da Juventude e Desportos (1999-2008) e Embaixador Extraordinário e Plenipotenciario da Republica de Angola em Portugal (2009-2018)

Chefiou a Missão de Observação Eleitoral da SADC is “Eleições Harmonizadas” no Zimbabwe (Março a Julho 2018), a delegação angolana à 15 Conferência Ministerial dos Paises Não-Alinhados, em Teherão, República Arabe do Irão (Julho/2016), e a Missão de Observação Eleitoral da CPLP às Eleições Parlamentares em Timor-Leste (Maio/2023).

A par da actividade docente no Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCEDI

atualmente exerce o cargo de Diretor Geral da Academia Diplomática do Ministério

das Relações Exteriores “Vinício de Moura”.

Café da manha, edição com Álvaro de Mendonça

Álvaro Mendonça, Jornalista, analista económico. Nasceu em Lisboa. Foi director dos maiores jornais de economia de Portugal. Foi consultor de empresas.

Considera que o sector da Construção Civil pode crescer em Angola, por ser o segmento da economia nacional que mais empregos directos e indirectos gera depois do Estado.

Data de Emissão: 15-08-2023 às 07:00
Café da manha, edição com Tânia de Carvalho

Tânia de Carvalho.

Nome: Tânia Luísa António Carvalho
Profissão: Socióloga
Tânia de Carvalho.

Nasceu em Luanda há 35 anos. É filha de uma família humilde de sete, por isso começou a trabalhar aos 14 anos, tendo exercido vários ofícios, porque “crescer e aprender com tudo e todos” é o seu lema de vida. A actual vice-presidente do Interclube de Angola para a área do Fomento Empresarial é licenciada em Ciências da Educação, na especialidade de Sociologia, pelo Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) e pós-graduada em Pluralismo Social. Frequenta, presentemente, um mestrado em Gestão Empresarial. Considera-se uma perfeccionista e cobra muito de si. Na sua caminhada pela vida é, também, comentarista do programa Política No Feminino da TPA (Televisão Pública de Angola), onde, segundo ela, usando a sua voz e vez, apresenta o seu ponto de vista sobre os problemas político-sociais marcantes

Uma jovem mãe, jovem mulher, funcionária pública, que tem o privilégio de aparecer na televisão usando a sua voz e vez, para apresentar o seu ponto de vista sobre os problemas político-sociais marcantes. Quando temos filhos pequenos – e eu tenho dois, um de seis e outro de três anitos -, a nossa agenda é condicionada ao bem-estar deles. O nosso hobbie acaba por ser proporcionar-lhes todo o prazer, toda a satisfação, toda a brincadeira. Gosto de ler para eles. 
 

Métodos de Reeducação Prisional, leva-nos a reflectir em torno de vários fenómenos atinentes à reeducação social, uma vez que é um dos fenómenos com maior incidência em jovens e sendo eles a garantia para o progresso de qualquer sociedade acreditamos que se deve aproveitar a sua força e a disponibilidade para o desenvolvimento e para a estabilidade de qualquer sociedade.

 
 
Café da manha, edição com Tony Sofrimento

Tony Sofrimento Makunza Tungo, é uma das cabeças coroadas muana Damba, que tem se preocupado realmente à sua Damba natal. Foi já citado pelos habitantes da Damba, como sendo a primeira pessoa que visitou-lhes após longos anos da guerra civil. Na ocasião, leva para Damba uma equipa da modalidade que dirige, anima a vila durante dias, os habitantes ficaram divertido de tal maneira que, o seu nome ficou gravado nas suas memórias. Colabora com o site da Damba, enviando artigos, fotografias, sugestões e comentários, o que agradecemos bastante. Está actualmente na Damba e aproveitámos a ocasião para ter uma conversa com ele. 

Café da Manha com General Facho
 

Sinais do tempo e marcas de guerra. E quase que tudo se resume na Medalha de Mérito Militar de Primeira Classe. Mas há muito mais na vida de Francisco Deolindo da Rosa. Nascido em Nambuangongo(08.04.47), oriundo de uma família humilde, o hoje General na reforma, carrega ,no corpo e na alma, as marcas mais profundas de acontecimentos registados na história de Angola. Foram muitas as batalhas para o pouco tempo do Café da Manhã. Mas estaremos no essencial de um percurso entre duas grandes guerras: anti-colonial e civil. Das emboscadas dos maquis às batalhas de Kifangondo e Cuito Cuanavale, na versão e vivência do General Facho, seu nome de guerra!

Data de Emissão: 01-08-2023 às 07:00
Café da Manhã, Presos Políticos de São Nicolau

Café da Manhã, Presos Políticos

Com:

Domingas António Cassumba

Engracia Kivanga

Paulo Borges Henruques

A cadeia de São Nicolau, no Bentiaba, é a única a céu aberto em Angola, localizada numa área contornada por montanhas e o rio Bentiaba. No passado colonial, serviu de lugar de tortura para os nacionalistas angolanos de entre os quais, a família Tchipenda; o pastor Baltazar Diogo, pai do actual ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa; o velho Mateus, pai do jornalista Ismael Mateus; o mais velho Guilherme Tonet, pai do jornalista e director do semanário “Folha 8”, Wiiliam Tonet. Alguns destes nacionalistas angolanos, capturados pela tropa colonial na quarta região político-militar do Huambo, permaneceram encarcerados em São Nicolau – entre 1968 e 1974 – com os respectivos filhos,acima referenciados.

Data de Emissão: 25-07-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Silva Candembo

Café da Manhã com Silva Candembo. jornalista desportivo angolano, procedeu ao lançamento virtual da obra literária intitulada “Petro – Trajetória de Um Gigante (1980-2020)”.

Trezentas e 13 páginas, compõem o livro da autoria do jornalista, que conta a história das quatro décadas de existência do clube fundado a 14 de Janeiro de 1980, cujo lançamento estava previsto para o dia 19 do pretérito mês de Abril, mas teve que ser adiado devido a proibição de eventos públicos no país, por ameaça da covid-19, conforme informa o Jornal de Angola.

A obra prefaciada pelo presidente de direcção do clube, Tomás Faria, está repartida em cinco capítulos e 54 sub-capítulos.

Segundo uma nota do autor inserta no livro, descrita pelo Jornal de Angola “a narrativa, esta, lá está, suportada pela memória fotográfica. Embora em alguns casos faltem detalhes numéricos e nomes que deram corpo a capítulos importante desta história, os factos mais relevantes desta trajectória de 40 anos foram aqui vertidos em homenagem aos que a ‘escreveram’, antes, com os seus dribles e golos, com os seus smashs, com os seus remates, com as suas stickadas”.

Silva Candembo é jornalista desportivo há mais de 3 décadas. Conta com uma obra literária já lançada, que narra a afirmação de Basquetebol africano de 1980 a 2005.

 

TAGS: Gustavo Silva, Graça Campos, Manuel Rabelais, Marcolino Moco, Abel Campos, Jesus, Jornal de Angola, Angop, FAF, FAB, Jean Jaques, Carlos Guimarães, Afrobasket, Hóquei, Kaisara, Severino Carlos, Angolense, Kajim Ban-Gala, Luís Fernando, Victor Silva, Salas Neto, Mário Palma, Baptista Moscavide, Victorino Cunha, Paulo Macedo, Assis, 

 

PARTICIPANTES
Café da Manhã com Dr. Mário Fernandes

Café da Manhã com Dr. Mário Fernandes, cardiologista. 

Director Geral do Hospital Américo Boavida
Ex-Director Geral do Instituto Nacional de Emergências Medicas de Angola (INEMA)
Ex-Director do Serviço de Cardiologia do Hospital Américo Boavida
Ex-Presidente e fundador da Sociedade Angolana de Doenças Cardiovasculares
Ex-Presidente da Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua Portuguesa
Docente convidado da Universidade Agostinho Neto
Ex-Presidente da Federação Angolana de Natação
Vice-Presidente da Zona IV da CANA
Vice President Confederation Africano de Natation
Membro do Bureau da Federação Internacional de Natação Amadora
Membro da Comissão Executiva do Comitê Olimpico Angolano
Data de Emissão: 11-07-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Marissa Moorman

Café da Manhã com Marissa Moorman.

Ela é Historiadora e Investigadora americana, publicou o livro Sons da Nação-história política e social da música urbana de Luanda,no período 1945-2002,editado pelo Centro de Estudos Africanos da Universidade Católica de Angola e a Mercado das Letras.
O historiador enfatiza, “Marissa Morman toca aqui uma das mais sensíveis cordas de todas as histórias de todo o nacionalismo. Talvez a mais sensível, pois diz respeito a da emoção: ela abarca sons, ritmos, hino à vida, lamentos ou gritos cantados de alegria”, assim escreve Mabeko Tali, Prémio Nacional de Cultura e Artes, 2022, na categoria de Investigação em Ciências Sociais.

Na nota introdutora, Marissa Moorman recorda o encontro com Teta Lando, que falava da popularidade dos músicos David Zé, Urbano de Castro e Artur Nunes, mortos a 27 de Maio de 1977. Nesta entrevista, o autor de “Angolano segue o seu caminho” dizia que estes artistas eram mais conhecidos nos musseques que os novos líderes do MPLA.

A obra destaca, também, o papel que a música assumiu no nacionalismo e como forma de soberania cultural. “Sons da Nação” oferece uma leitura diferente da história  entre  1945 e 1990, é uma historia social da cultura e da politica, mas especificamente da música e Nação, que toma as práticas culturais do dia-a-dia dos homens e mulheres das cidades de Angola como a essência da vida política da Nação.

Marissa J.Moorman é professora catedrática de História de África e Estudos de Média e Cinema, na Indiana University, e doutorada em História de África, em 2004, pela Universidade de Minnesota. Autora de livros “Intonations: a Social History of Music and Nation Luanda, Angola, 1945-Recent Times (Ohio 2008)” e “Powerful Frequencies: Radio, State Power, and the Cold War in Angola, 1931-2002 (Ohio 2019)” e de vários artigos.

Tem publicações sobre música, mídia, moda, cinema, rádio, e espaço urbano. É editora do jornal académico “The Journal of African History”, publicado pela Cambridge University, e faz parte do conselho editorial de “Africa is a Country”, e tem orientado investigadores interessados na cultura angolana.

Data de Emissão: 04-07-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Esteves Betatela Isaac Pena

Café da Manhã com Esteves Betatela Isaac Pena.

Autor do livro de compilações de discursos do antigo líder da UNITA, Dr. Jonas Savimbi, é um político Angolano, natural do Bié, nascido em 1958, com estudos primários feitos na Missão Evangélica do Chilesso, no Andulo, tendo passado pela escola industrial e comercial, João de Almeida.
É formado em Antropologia pela Universidade António Agostinho Neto.
Com patente de Brigadeiro, conhecido nas hostes militares por General Kamy,é irmão mais novo de Salupeto Pena e do General Ben Ben, ambos já falecidos.
Data de Emissão: 27-06-2023 às 07:00
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Reverenda Esperança Ilda Chitunda Valerio

Café da Manhã com Reverenda Esperança Ilda Chitunda Valerio.

Ilda Valério: Uma mulher entregue às causas de Deus e da sociedade

As mulheres devem viver sempre felizes, independentemente daquilo que se tem ou não, defendeu a pastora da Igreja Evangélica Congregacional em Angola (IECA), em Benguela, Ilda Valério. Para ela, a mulher tem que se sentir bem.

Explicou que foi casada e viveu bem com o reverendo Estévão Cassinda de Almeida (em memória), relação que gerou oito filhos e 13 netos.

O importante, disse, é ter Jesus nas nossas vidas, porque ele mesmo declarou que veio para que tenhamos vida em abundância. A vida com Jesus, garantiu, é de felicidade.Aconselhou as mulheres a aceitarem Jesus como mestre, salvador e pertencer a uma igreja, desde que fale de Deus, o criador, o Mestre e o Salvador, que, também, cura.

As mulheres, defendeu a reverenda Ilda Valério, devem conservar os seus lares, cuidar os bens dos maridos, como uma responsabilidade divina que se recebeu.

Consagrada primeira pastora em Angola

Consagrada desde 9 de Junho de 1974, no templo do Instituto Curie, na Missão do Dondi, no Huambo, Ilda Valério, de 76 anos, foi a primeira pastora da Igreja Evangélica Congregacional em Angola (IECA).

Actualmente, a pastorear o pastorado de Cassoco, em Benguela, tem sob sua responsabilidade as igrejas de Emauchi, bairro da Goa, e Boa Esperança (Camponte City), arredores da terra das Acácias Rubras.

Já exerceu funções de pastora na Missão do Cuito (Bié) e Huambo. Professora de profissão, Ilda Valerio já deu aulas em escolas do II e III níveis. Cita, como exemplos, a Escola 314, na cidade do Cuito, Bié, e a Escola Ndala Candumbo e o Liceu do Huambo.

Filha de um camponês que viria a ser elevado à evangelista com ordens sacras, a sua história, disse, é longa.

A IECA, conta, até 1974, só tinha pastores e a selecção de uma menina para estudar Teologia no Seminário era novidade para a comunidade cristã que indicava jovens para o efeito, onde o nível de escolaridade era tido em conta pelo Seminário Manuel Unido (uma união entre a Igreja Metodista e a IECA), que preparava pastores.

Nascida a 8 de Julho de 1946, no município do Andulo, província do Bié, pelo seu contributo na vida pastoral, a reverenda Ilda Valério foi, por diversas vezes, homenageada como mulher de mérito, pelo Governo Provincial de Benguela e em Luanda. Por algumas ocasiões já lhe foi, inclusive, atribuído o título de diva do povo.

Confessou que sente-se honrada e grata a Deus e às pessoas que consideram a sua vida religiosa como influenciadora de boas práticas e acções positivas a outras mulheres.

“A nossa Igreja também mandava meninas para serem educadoras cristãs (uma profissão equiparada a uma professora cristã)”, disse, acrescentando que, “a Igreja, também, seleccionou-me e fui recomendada para ser formada pela Escola de Teologia como educadora cristã, no Seminário Emanuel Unido, na Missão do Dondi”.

 Explicou  que a formação para educadora cristã era de três anos, diferente da de Teologia, que exigia quatro anos e, seguidamente, o estágio.

Conta que, quando o grupo terminou os três anos, para receber diplomas, a direcção da escola “chamou-me para me dizer que ia terminar, mas, continuaria na turma dos rapazes, em virtude de ter havido um projecto-piloto de formar uma jovem mulher para ser consagrada ao Santo Ministério”.

Confessou que nunca pensou que naquela altura  uma mulher poderia ser, também, pastora.Acrescentou  que, no fim da formação, depois do estágio, aconteceu a consagração e pela primeira vez a Igreja consagrou uma mulher pastora.

“Fui a primeira pastora angolana e o ganho foi uma grande alegria para a família e para a própria igreja”, recorda, frisando que,  o sentimento é de muita felicidade e de gratidão eterna à Deus, já que, seguidamente, a igreja, enalteceu, foi consagrando mais mulheres, o que permite, hoje, conferir um número maior de pastoras, apesar de, ainda, estar abaixo do de homens. Já existem  40 pastoras da IECA.

Data de Emissão: 20-06-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Helena Race
 

Café da Manhã com Helena Race, Moçambicana,  Ativista Social, autora do livro Habito de Prosperidade, Caminhos e Vidas. 

Data de Emissão: 13-06-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Edilberto Gaspar Madeira

Café da Manhã com Edilberto Gaspar Madeira, Sociólogo, natural do Namibe

Data de Emissão: 06-06-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Sidónio Gabriel

Café da Manhã com Sidónio Gabriel.

Data de Emissão: 30-05-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Embaixador da Rússia em angola Vladimir Tararov

Café da Manhã com Embaixador da Rússia em angola Vladimir Tararov.

O cerco sobre a Rússia aumenta no capítulo da diplomacia com vários Estados a aplicar sanções, bem como a multiplicação de comunicados contra o País. A União Europeia fecha portas para qualquer tipo de diálogo com embaixadores russos. Por cá, a sua representação manifesta-se satisfeita face à postura de Luanda, e repudia a UNITA.

A Ucrânia, fortemente «fustigada», agradece o apoio de alguns Estados africanos. O embaixador da Federação russa em Angola, Vladimir Tararov, considera que a posição de Angola manifestada em comunicado sobre o conflito militar que opõe Moscovo e Kiev foi equilibrada e que, na perspectiva do diplomata, espelha bem a «veia» angolana de paz e concórdia. “Angola não quer tomar uma parte nem outra, por isso que sempre apela à paz, às negociações e ao cessar-fogo.

Para nós, isso é muito bom. Os outros apelam ao castigo da Rússia, não se fala em apaziguamento, mas Angola esta mesmo numa fila dos países que apaziguam, que apelam a todas as partes, quer à Rússia, quer à Ucrânia, para o cessar-fogo”, destaca o embaixador Vladimir Tararov.

Entre outras coisas, o diplomata russo recorda as relações antigas que o seu país mantém com Angola e faz saber que a Federação vai aumentar o nível de relacionamento que, segundo o mesmo, reduziu um “bocado” com a queda da União Soviética. Além do relacionamento político, Vladimir Tararov diz que, no campo da economia, a parceria com Luanda também está a crescer, e refere que as trocas comerciais entre os dois Estados já andam à volta dos 200 milhões de dólares ano.

Entretanto, o diplomata lança fortes críticas à UNITA, maior partido na oposição angolana, pelo facto de o «galo negro» ter proposto na sessão de quarta-feira, 02, da Assembleia Nacional, uma discussão e aprovação de um “voto de protesto contra a invasão russa” à Ucrânia.

Na nota, a UNITA diz que a Assembleia Nacional deve “repudiar e condenar a invasão da República da Ucrânia e as violações aos compromissos internacionais sobre a defesa, promoção da paz e segurança internacional”, bem como “condenar a invasão à República da Ucrânia, estado soberano e independente, pelas forças armadas da Federação russa em violação à integridade territorial, ao direito à autodeterminação e livre escolha de alianças”, lê-se na proposta da UNITA.

Para Vladimir Tararov, a sugestão do maior partido na oposição em Angola é ridícula. “A UNITA apresenta um projecto de condenação contra a guerra da Rússia! Ela fala o que não sabe. A UNITA quer mostrar que está com o Ocidente, os ditos países civilizados, e não é que ela [UNITA] seja civilizada. O que a UNITA está a fazer é chantagem, porque quer obter vantagens no quadro das eleições, mas não é assim que se faz”, critica.

Vladimir Tararov justifica a invasão russa à Ucrânia não só como uma medida de prevenção de guerras futuras mas também como forma de proteger as populações de Donetsk e Luhansk, que, de acordo com o diplomata, têm sido alvo de actos de genocídio por parte da Ucrânia.

Tararov fala também de haver violações do acordo, embora verbal, que a Rússia manteve com o Ocidente, aquando da queda da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), para a não extensão da NATO nos países que faziam parte do bloco. “Mas temos vindo a registar a entrada na NATO de países que eram parte da União Soviética, como a Polónia, a Estónia e outros.

Nunca a Rússia tentou chamar essas repúblicas para a tal chamada União Soviética nova, mas o Ocidente, já na véspera da queda da União Soviética, começou a preparar a tal chamada dois cintos, um cinto de segurança, isso é: são os Países que foram socialistas depois da Segunda Guerra Mundial, e quando a União Soviética deixou de existir, eles logo passaram para o modo Ocidental, e passaram a reforçar este cinto, um anel em volta da Rússia”, refere.

No presente conflito militar, o diplomata russo admite haver baixas russas, cuja contabilidade aleatória aponta para 300 soldados. Nega que os russos estejam a atingir alvos civis, e diz que são as polícias de Donetsk e Luhansk quem estão a combater directamente as tropas ucranianas, sendo que o contingente militar da Federação russa tem servido como força de asseguramento, que, com “armamento de alta precisão, tem eliminado stocks de armamentos de Kiev, paióis e fábricas de produção de armamento”. E neste particular, conta o embaixador, a força russa identificou e eliminou pouco mais de 13 laboratórios biológicos, que a Federação acredita terem sido financiados pelo Ocidente.

“Nestes laboratórios estavam a ser fabricadas armas biológicas que provocam raiva aérea, que, segundo a explicação de técnicos, são armas capazes de transmitir efeitos muito mais do que a Covid-19”, conta Vladimir Tararov.

Data de Emissão: 23-05-2023 às 07:00
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Eduardo Fairen Soria

Eduardo Fairen Soria é espanhol, engenheiro, tem 62 anos e uma larga experiência no sector da aviação comercial, passou pelo Peru, pela Colombia, sempre ligado a empresas de aviação, e foi co-fundador da espanhola Vueling Airlines.

Novo PCE da TAAG foi seleccionado através de uma empresa de “caça-talentos”, a escolha recaiu sobre Eduardo Fairen Soria.

Data de Emissão: 16-05-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Direcção da TAAG
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Constantino Manuel dos Santos

Constantino Manuel dos Santos – Nasceu em Benguela, Dombe Grande. Fez parte dos movimentos Antí-Colonial, passou pela Prisão São Nicolau. Autor do livro Ecos de São Nicolau.

Data de Emissão: 09-05-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Governador de Luanda Manuel Homem

Café da Manhã com Governador de Luanda Manuel Homem

Manuel Gomes da Conceição Homem (n. na província de Cabinda em 24 de Novembro 1979) é desde setembro de 2022 o Governador Provincial de Luanda em Angola. E o 1º Secretário Provincial do MPLA em Luanda.

Ficha biográfica

Manuel Homem frequentou o ensino básico no município de Cacongo, Cabinda e o ensino Médio no Instituto Médio Normal de Educação “Garcia Neto” em Luanda na especialidade de BioQuímica. Completou o curso de Engenharia Informática de Sistemas no Instituto Superior Privado de Angola – UPRA depois tirou o mestrado em Sistemas Informáticos e formação em Gestão de Projectos. Foi Director Geral do Instituto Nacional de Fomento da Sociedade da Informação – INFOSI. Foi Secretário de Estado para as Tecnologias de Informação.

Em Março de 2020, assumiu as funções de Ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social.

Desde Setembro de 2022, assumiu as funções de Governador Provincial de Luanda.

Percurso Partidário

Em 1996, ingressou na JMPLA – Organização Juvenil do MPLA tendo sido entre 2009 e 2014, Membro do Comité Nacional da JMPLA. Com a realização do VII Congresso Extraordinário em 2020, foi eleito Membro do Comité Central e Membro do Bureau Político do MPLA.

Em 2022, foi eleito 1º Secretário Provincial do Partido em Luanda.

Data de Emissão: 02-05-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Mondlane Pereira

Café da Manhã com Mondlane Pereira, Bacharel em Filosofia pela UAN, Gestor de Projectos Sociais, Investigador da fauna e flora do Namibe. Hoje cidadão namibense, por força dos mais de vinte anos de vivência, Mondlane, homem de fala fácil, integrou ainda a equipa que investigou sobre a existência de ossadas de Dinossauros no deserto daquele território.

É com ele a “bigodaça” conversa do Café da Manhã desta terça-feira na LAC.
Data de Emissão: 25-04-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Ruth Adriano Mendes

Café da Manhã com Ruth Adriano Mendes, uma economista e política angolana. Filiada ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), é deputada de Angola pelo Círculo Eleitoral Nacional desde 28 de setembro de 2017.

Mendes licenciou-se em economia. Trabalhou como assessora econômica e financeira e responsável financeira no Ministério de Energia e Águas.

Data de Emissão: 18-04-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Archer Mangueira

Café da Manhã com Archer Mangueira, governador da província do Namibe.

Data de Emissão: 11-04-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Nadir Tati
 

Em Angola todos a conhecem e dispensa até apresentação. Nadir Tati desenha moda africana para África e para o mundo inteiro. Angolana, cosmopolita, fala várias línguas e já viveu um pouco por todo o mundo.

Nadir Tati começou a sua história no mundo da moda dando os primeiros passos como modelo – enquanto residente na Africa- do Sul – e depois como estilista.

Desde pequena que gostava de desenhar e assinar o seu nome em tudo quanto era papel em casa. Tudo começou muito cedo por influência da sua mãe, que era secretária principal numa empresa de petróleos e também era costureira, cozinheira, barbeiro… De facto uma mulher de vários ofícios, tendo a estilista herdado isso dela.

Nadir é a principal referência quando se fala de moda contemporânea em Angola. Formada em Criminologia, Consultora de Imagem, Desenho de Moda, já trabalhou vários anos como manequim, uma profissão que lhe despertou efectivamente a paixão pelas artes e pelo fascinante mundo da moda, em especial, a moda africana.

Tati encontra inspiração na sua própria vida e na história de vida dos Angolanos. As suas colecções são elegantes, modernas e glamourosas, sem contudo esquecer a identidade angolana.

Durante uma conversa curta e descontraída que manteve com a Chocolate Lifestyle sobre os grandes desafios da arte neste momento da pandemia, a designer contou como tem aproveitado esta nova fase enquanto artista. “Bem, este período pandémico levou-nos a uma tremenda reflexão de todos esses anos de trabalho que temos feito dentro daquilo que têm sido as artes. Estamos a passar por um momento conturbado a todos níveis e claramente que a moda não ficou de fora, também foi afectada, porque os objectivos traçados muito antes sofreram algumas alterações em função do novo viver”, comentou a também responsável por alguns dos vestidos usados pela ex- Primeira Dama de Angola, Dra. Ana Paula Dos Santos, em eventos oficiais.

E quanto à missão de dar a conhecer Angola e a África ao mundo, Nadir disse: “Considero-me mais uma artista completa do que propriamente uma criadora de moda. Moda é algo que tenho feito há alguns anos com muita dedicação, e atenção acima de tudo. Tudo tenho feito para que a nossa cultura, a nossa história, hábitos e costumes sejam divulgados e vistos de uma outra perspetiva, que é global, tenho alguma preocupação de internacionalizar a moda angolana e africana, com objectivo de dar a conhecer a nossa história ao mundo”, esclareceu Nadir Tati, orgulhosa.

Nadir ganhou o prémio de Melhor Criadora de Angola durante quatro anos quase seguidos: 2010, 2011,2012 e 2014. Foi nomeada a Diva da Moda de Angola em 2011 e 2012. Diva do Momento em 2012, ano em que arrecadou dois troféus no mesmo evento.

Em 2013, o prestigiado Prémio Sirius – atribuído às personalidades com destaque em Angola – foi atribuído a Nadir Tati pela sua excelência no ramo empresarial e por ter elevado o nome de Angola nas passerelles do Mundo, sendo já considerada pelos jornais estrangeiros como uma das pessoas mais importantes na história da moda africana pelo seu talento, determinação e persistência.

É ainda a primeira estilista angolana e africana a vestir uma actriz de cinema para os Óscares em Hollywood, com Rachel Mwanza, da República do Congo, nomeada para o melhor filme estrangeiro 2013.

Sobre a produção local, no decorrer da conversa, Nadir revelou que a pandemia veio dar uma outra dinâmica aos criadores, particularmente a si. “Por conta pandemia, os fazedores de moda tiveram que se reinventar, devido às restrições, eu e a minha equipa estamos a trabalhar internamente, as pessoas vão comprando claramente uma ou outra coisa. Neste momento, o meu trabalho tem dedicado uma boa parte à produção de máscaras para o combate da pandemia”.

”A perspectiva é puder continuar a trabalhar para dar respostas ao nosso mercado interno. Algo que não parou, as pessoas vestem-se todos dias, e então, sempre com algum ânimo, damos o nosso melhor para juntos podermos ultrapassar esta crise, por outra, este também é um bom momento para nós compreendermos e valorizarmos a produção nacional, porque nem toda a gente consegue viajar, logo temos que produzir internamente”, disse.

Como defensora acérrima das tradições e costumes africanos, Nadir Tati luta diariamente com o objectivo de elevar a moda angolana ao mesmo nível dos outros países como Estados Unidos da América, Alemanha, Coreia, México, Bélgica , Macau , Espanha, Portugal, África do Sul, Moçambique, Quénia , Togo, Tanzânia e outros países que aplaudiram as criações de Nadir Tati.

A criadora que vê nas horas livres o ténis e natação como a sua terapia, para além de outras, em 2017 ganhou o Prémio da Lusofonia atribuído a personalidades de destaque nos países de expressão portuguesa.

Com certeza, Nadir Tati é um modelo para as mulheres africanas, devido à sua paixão pela moda e à forma como trabalha para realizar os seus sonhos.

Como sabemos, para Nadir Tati, a moda é um trabalho sobre a história e os valores de um povo. Defensora da arte africana e dos direitos Humanos Nadir Tati também trabalha com crianças desfavorecidas.

Atualmente, Nadir Tati é membro efetivo do conselho consultivo da Ashinaga ( Japão) com a responsabilidade de escolha dos futuros líderes crianças órfãs do continente Africano com a responsabilidade de estudarem no Japão , Brasil e Estados Unidos. Até a data já foram enviadas 4 estudantes Angolanos para o Brasil.

Os trabalhos da estilista angolana são produzidos com base a bordados, transparências, rendas e tecidos africanos. E para a estilista angolana, a roupa é sinónimo de identidade pessoal e autoconfiança.

 

Data de Emissão: 28-03-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com Ernesto Mulato

Café da Manhã, edição com Ernesto Mulato. 

Joaquim Lemos Ernesto Mulato (Bembe, 12 de Agosto de 1940) é engenheiro, político e deputado angolano pela bancada parlamentar do partido União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), do qual é membro desde a sua fundação aos 13 de Março de 1966.

Formação académica e profissional

De 1950 a 1954 fez o ensino primário na Missão Católica da cidade do Uíge e na missão Católica da Vila de Salazar actual cidade de Nadalatando. De 1956 a 1960 frequentou o ensino secundário no Colégio das Beiras em Luanda.

Em 1960 partiu de Angola para Quinxassa, capital da República Democrática do Congo (RDC), para prosseguir com os seus estudos. Em 1963, através de uma bolsa de estudo do Departamento de Estado dos Estados Unidos, seguiu para os Estados Unidos onde fez o curso de admissão à Faculdade de Engenharia da Universidade de Temple, na cidade de Filadélfia, que deixou em 1966 para estudar no Instituto Politécnico da Universidade de Nova Iorque.

Em 1968, perdeu a bolsa de estudo do Departamento do Estado Norte Americano por razões políticas e forçado a interromper a carreira estudantil.

Em 1970, partiu para Londres, no Reino Unido, onde obteve uma bolsa de estudo através da organização religiosa Missão Evangélica do Dondi que tinha filiais no centro de Angola, tendo ingressado na Politécnica do Nordeste de Londres (parte actualmente da Universidade do Leste de Londres) e dado por concluído em 1975 os estudos superiores em engenharia civil.

Em 2013 concluiu o mestrado em relações internacionais na especialidade em resolução de conflitos (EUA)

Carreira Política

UPA/FNLA

Em 1960 quando escapou de Luanda numa altura em que era muito complicado emigrar, foi para Quinxassa, capital da República Democrática do Congo, onde foi recebido por Manuel Barros Sidney Necaca e Francisco Borralho Lulendo, que o apresentaram a Holden Roberto, então ainda somente um destacado líder anticolonial da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA).

Foi em maio de 1961 que encontrou-se e conheceu Jonas Savimbi a quando da sua visita à Quinxassa, já como Secretário-Geral da UPA/FNLA.

Militou na UPA/FNLA até a sua saída com Savimbi e outros jovens em 1966, para a futura fundação daquilo que veio ser a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA).

UNITA

Ocupações

Em 1966 torna-se secretário da Juventude Unida Revolucionária de Angola, ala jovem da UNITA, e representante do partido nos Estados Unidos. É transferido em 1970 para atuar como representante da UNITA em Londres (Reino Unido).

Em 1975 torna-se director do Centro Administrativo Político da UNITA (CAP), com sede no Huambo (Angola).

Em 1976 torna-se Secretário Permanente do Bureau Político da UNITA.

Entre 1977 e 1982, torna-se representante da UNITA em Marrocos, além de coordenador da Administração Pública e Secretário para os Recursos Humanos.

Entre 1982 e 1986 foi Secretário da Cooperação Internacional da UNITA e de 1986 a 1990 foi secretário adjunto dos negócios estrangeiros da UNITA.

De 1990 até 1998 serviu como epresentante da UNITA na Alemanha e de 1998 a 2003 como epresentante da UNITA no Togo.

De 2003 a 2015 atuou como Vice-Presidente da UNITA, passando, no ínterim (2008) a ocupar uma cadeira como deputado na Assembleia Nacional e 3º Vice-Presidente da Assembleia Nacional.

De 2015 a 2019 serviu como conselheiro especial do presidente da UNITA Isaías Samakuva.

Condecorações

Graduação militar a patente de brigadeiro da Força Aérea Nacional de Angola e licenciado à reforma ao abrigo da Ordem nº008/02 do Comandante em Chefe das Forças Armadas Angolanas de 27 de julho de 2002.

Em 2005 foi galardoado com a “Ordem dos Antigos Combatentes” pelo Governo da República de Angola na pessoa do presidente José Eduardo dos Santos.

Livro

Ernesto Joaquim Mulato seguiu o exemplo do seu amigo de longa data, o general José Samuel Chiwale, e publicou as suas memórias através do livro intitulado “Do Bembe a Luanda: Um percurso pela Democracia em Angola”.

 

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) é um partido político angolanoorientado no espectro do centro à direita, sendo a maior e mais organizada agremiação nacional de oposição desde 1976.

Foi fundada em 1966 por dissidentes da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e do Governo de Resistência de Angola no Exílio (GRAE), de que Jonas Savimbi, líder-fundador do partido, era ministro das relações exteriores. Lutou ao lado da FNLA e do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) pela independência angolana, partindo para uma longa Guerra Civil Angolana em que recebeu ajuda militar principalmente dos Estados Unidos e da África do Sul, enquanto que o MPLA recebeu apoio da União Soviética e seus aliados. Desde o fim da Guerra Civil em 2002 a UNITA abandonou a luta armada, convertendo-se num partido político.

A UNITA e seus militantes são conhecidos pelo acrónimo “galo negro”,] em referência a figura de um galo presente na bandeira do partido, bem como “unitenses”.

Café da manhã com Pedro José Van-Dúnem
PARTICIPANTES
Café da manhã com Vera Daves de Sousa

Vera Esperança dos Santos Daves de Sousa

Ministra das Finanças 

 

Naturalidade:Luanda

Nacionalidade:Angolana

Formação Académica

  • ODDO BHF’s Female Leadership Master-Class 2021/2022, SMART Leadership Institute (2022);
  • Curso Intensivo de Inglês, International House (Setembro – Novembro 2014);
  • Curso de Liderança e Cultura Organizacional, OF Consultores (Setembro 2013);
  • Curso de Liderança Pós – Moderna, Centro de Estratégia, Eficácia e Eficiência Empresarial (Setembro 2013);
  • Curso de Mercado de Obrigações, ICAP (Julho 2013);
  • Curso de Mercados Monetário e Cambial, ICAP (Maio 2013);
  • Curso sobre Mercados de Derivados, ICAP (Maio 2013);
  • Curso de Introdução ao Mercado de Capitais com António Palhinha Machado e Francisco Garcia dos Santos (Março 2012);
  • Formação de Gestão do Tempo, OF Consultores (Fevereiro 2010);
  • Formação de Liderança, OF Consultores (Setembro 2009);
  • Curso Intensivo de Inglês, Good Hope Studies (Agosto 2008);
  • Formação on job sobre Mercado Accionista e de Derivados, Millennium Investment Bank (Junho 2007);
  • Curso de Atendimento Comercial, Coutinho Neto & Orey Internacional (Outubro 2006);
  • Ciclo de Formação para Recém-Admitidos no Banco Privado Atlântico, Instituto de Formação Bancária de Portugal (Julho – Outubro 2006);
  • Curso de Contabilidade Informatizada, AMS Group (Julho 2005);
  • Curso Bíblico, Serviços de Capelania, Universidade Católica de Angola (Agosto – Novembro 2001);
  • Curso de Operação de PC’s em ambiente Windows, Centro de Formação da NCR Angola (Maio – Julho 1999);
  • Ensino Médio especialidade de Matemática/ Física, IMNE (2000);
  • Licenciatura em Economia, Universidade Católica de Angola (2005).

Experiência Profissional

  • Ministra das Finanças de Angola (2019 – até ao presente);
  • Secretária de Estado para as Finanças e Tesouro (Setembro de 2017 a Outubro 2019);
  • Presidente do Conselho de Administração, Comissão do Mercado de Capitais (Setembro de 2016 – Setembro 2017);
  • Administradora Executiva, Comissão do Mercado de Capitais (2012 – 2016);
  • Docente da cadeira de Mercados Financeiros no MBA Executivo promovido, Universidade Católica do Porto & Universidade Católica de Angola (Junho 2013);
  • Directora do Gabinete de Produtos e Research, Banco Privado Atlântico (2010 – 2012);
  • Consultora, Internacional Estratégia (2008 – 2010);
  • Analista de Mercados, Banco Privado Atlântico (2006 – 2010);
  • Analista de Risco, Banco Privado Atlântico (2006)
  • Assistente, Universidade Católica de Angola (2006 – 2012);
  • Técnica de Finanças, Sonangol ESSA (2006);
  • Pesquisadora, Vision Concept (2006).

Outras Referências Profissionais

  • Young Global Leader, World Economic Forum, Davos (2020)
  • Fórum Económico Mundial, WEF Klosters – Davos (Janeiro 2020);
  • Artigo publicado: Educação Financeira – Um capricho ou uma necessidade?, Revista Exame Angola (Edição Junho 2016);
  • Reuniões de Primavera, Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional, Washington D.C. – E.U.A (Abril 2014);
  • 31ª Reunião do Comité das Autoridades de Seguros, Valores Mobiliários e Instituições Financeiras não Bancárias (CISNA), Swakopmund – Namíbia (Outubro 2013);
  • 38ª Reunião Anual da Organização Internacional das Comissões de Valores (OICV, sigla em inglês IOSCO) com o Lema: Conecting Global Finance, Luxemburgo (Setembro 2013);
  • Membro do Júri dos Prémios Sirius, iniciativa apadrinhada pela Deloitte (2013 – 2016);
  • Co-autoria no livro Teoria e Exercícios Práticos (2013);
  • Cimeira sobre os Mercados de Dívida africanos, African Banker e Springwood Capital, Londres, Inglaterra (Julho 2012);
  • Seminário sobre “Desenvolvimento e Regulação dos Mercados de Valores Mobiliários”, International Institute for Securities Market Development da U.S. Securities and Exchange Commission (SEC) – Washington D.C. – E.U.A (Abril 2012);
  • Co-elaboração da Página de Mercados Financeiros publicada no Semanário O País (2011 – 2012);
  • Vencedora das Edições 2011 e 2012 do Prémio Angola 35 Graus na Categoria Economia e Negócios;
  • Colunista permanente da Revista Rumo (2011);
  • Colaboradora para o Núcleo Barómetro de Conjuntura, Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) – Universidade Católica de Angola (2010 – 2011);
  • Artigo publicado: Entendendo os Fundos Soberanos, Novo Jornal (Edição Junho 2010);
  • Co-elaboração da página de Mercados Financeiros publicada no Jornal de Angola (2010);
  • Comentadora Económica, Estação Radiofónica Rádio Mais (2010);
  • Comentadora Económica, Programa Bom Dia Angola – Canal 1 da Televisão Pública de Angola (2009 – 2012);
  • Seminário sobre Fecho de Contas, Manumática Informática Trading, Lda, Luanda – Angola (Abril 2006).

Pelouros sob Dependência Directa

  • Secretaria Geral (SG);
  • Gabinete Jurídico (GJ);
  • Serviço de Tecnologias de Informação e Comunicação das Finanças Públicas (SETIC.FP);
  • Gabinete de Estudos e Relações Internacionais (GERI);
  • Gabinete de Recursos Humanos (GRH);
  • Gabinete de Comunicação Institucional (GCI);
  • Delegações Provincais de Finanças (DPF´s);
  • Fundo Soberano de Angola (FSDEA);
  • Fundo de Fomento Habitacional (FFH);
  • RECREDIT – Gestão de Activos, S.A.;
  • Banco de Poupança e Crédito (BPC).
Data de Emissão: 07-03-2023 às 07:00
Género(s): Economia, Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã com a Alexandra Lima

A primeira piloto africana de um Boeing 777-300 é angolana
Luanda – Até 2014, a Comandante Alexandra Lima era a única mulher africana habilitada a pilotar o Boeing 777-300, a última geração de aviões da construtora aeronáutica americana, e a notícia rapidamente se propagou, particularmente por iniciativa da empresa onde trabalha há mais de 30 anos, a TAAG, que partilhou a boa nova na sua página oficial do Facebook.

Alexandra Lima, que enveredou à aviação civil para fugir ao curso de pedagogia que frequentava, em Luanda, no início da década de 80, acabou por se apaixonar pela nova profissão. “Eu estava no Instituto Normal de Educação, mas aquilo não tinha nada a ver comigo. Quando me mudei para a aviação, no princípio não sabia bem se era isso que queria, mas acabou por ser uma grande paixão”, recorda e revela que tomou essa decisão ainda aos dezassete anos, sendo que foi necessária uma prévia autorização para que fizesse o curso de assistente de bordo.

Destemida, a proactividade e a vontade de aprender levaram-na a participar de um concurso interno da TAAG para formação de pilotos. Alexandra Lima foi um dos apurados e rumou à Jugoslávia, donde ficou dois anos de onde veio com habilitações de “piloto privado e comercial”.

Já em Luanda, em 1985, comercialmente, a Comandante teve sob sua direcção, pela primeira vez, um Fokker, o modelo de avião disponível na TAAG para os voos domésticos de pequeno curso. “Era o avião com que os pilotos começavam a carreira, sendo que nessa altura eu voava como co-piloto. A empresa era pequena, não crescia muito e tínhamos poucos aviões e poucas rotas, e então fui durante muito tempo co-piloto”, explicou.

Alexandra Lima senda num Fokker, dos primeiros aviões que pilotou

 

Os longos anos de carreira baralham um pouco Alexandra Lima quando questionada sobre datas, mas a piloto guarda consigo memórias de momentos áureos e de conquistas profissionais, como é o caso da sua promoção a comandante, que terá ocorrido em 2010, segundo tentou lembrar-se. “Desde 2009 ou 2010 que sou comandante. Mais ou menos por esta altura. É que já faz tanto tempo e tantas memórias que às vezes fico baralhada”, respondeu, sorridente.

Mas a conquista dos céus internacionais também já antiga. Alexandra Lima recorda em rotas internacionais, voou como co-piloto no Boeing 747 para França e Portugal, Brasil e África do Sul. No entanto, explica, depois rumou aos Estados Unidos da América para fazer o curso das novas aquisições da TAAG e há dois é Comandante do Boeing 777-300, onde foi durante algum tempo co-piloto.

Combatendo preconceitos

Entretanto, Alexandra Lima sempre soube que tinha que lutar pelo seu futuro e realização, combatendo, se necessário, quaisquer tipo de preconceitos ligados ao género. Órfão de pai desde muito cedo, revela, a comandante é filha de uma mãe que sofre de aerofobia, pelo que o primeiro desafio que teve que enfrentar foi aceitação da mãe, que ocorreu depois de três anos na TAAG, quando Alexandra Lima ganhou a bolsa para ir fazer o curso de piloto. “Eu faço parte do terceiro grupo de pilotos angolanos formados na Jugoslávia. Inscrevi sem muita certeza que passaria, e um pouco na brincadeira, mas trinta anos depois estou aqui como comandante do maior avião comercial da Boeing”.

 

Segundo lembra, no início, sofreu algum preconceito pela profissão de assistente de bordo, que considera ser de extrema importância e responsabilidade. “Não foi fácil. Estava a deixar uma formação a meio, para ir ser assistente de bordo, profissão sobre a qual ainda existem muitos preconceitos. Mas, pelo contrário, trata-se de uma profissão de bastante responsabilidade e que nos limita a vida enquanto jovens, porque tem-se uma série de restrições para garantir que estamos em condições de proteger vidas humanas”, defendeu.

 

Curiosamente, enquanto piloto, Alexandra afirma que sempre se sentiu aceite e acarinhada. “Sempre fui muito bem tratada pela sociedade. Aliás, há pouco tempo apercebi-me de que alguém partilhou no Facebook fotografias minhas da altura do meu primeiro voo comercial. A sensação que me dá é de respeito e orgulho. Eu só posso agradecer a este país por isso”.

 

Entretanto, quando está em terra, a Comandante focada dá lugar a uma mulher descontraída. Alexandra Lima considera-se mesmo uma “pessoa aérea e imparável”, sempre à procura de motivo de lazer e diversão, sendo que gosta de música ao vivo, e recorda-se, com satisfação, de recentemente ter assistido, na companhia de uma amiga, a um concerto de Roberto Carlos.

 

“A profissão de piloto é de muita responsabilidade. Exige uma concentração total, sendo que para nós o serviço não começa dentro avião. O piloto prepara o seu voo antes de sair de casa. Ou seja, além de ter de descansar o suficiente física e psicologicamente, devo consultar toda a informação meteorológica, traçar a rota e definir rotas alternativas no caso de haver algum impedimento ou contratempo. Mas, quando estou em time out, como dizemos, realmente passo-me”, admitiu, sempre sorridente e satisfação em partilhar a experiência de vida e profissional.

 

“O nosso momento é enquanto somos jovens”

Para Alexandra Lima, os jovens não podem perder de vista que o seu momento é o presente, sendo que hoje depende o que será amanhã.

 

“O momento é agora. Para tudo. Costumo a dizer aos meus filhos que não são obrigados a ser doutores, mas devem fazer na vida aquilo que de gostam e que o façam bem. O nosso momento é enquanto somos jovens. Se ele passa, a gente nunca mais consegue realizar-se ao nível profissional, e quando isso acontece dificilmente nos sentimos pessoas realizadas. A juventude não deve deixar de batalhar por um lugar ao sol, porque o país só se desenvolve com recursos humanos capacitados”, defendeu.

 

Frequentemente abordada por jovens nas redes sociais sobre a sua profissão e a realização financeira, Alexandra Lima revela que responde sempre que ser piloto é bonito, mas não tem nada a ver com a ganhar muito dinheiro. “Repito que é uma profissão de extrema responsabilidade. Ou se gosta realmente, ou não aguentamos. Ou a gente faz aquilo que gosta, ou torna-se escravo daquilo que faz”, alertou, porém admitiu que gratificante conhecer o mundo enquanto se trabalha.

 

Alexandra Lima afirma que se sente feliz ao ver muitos profissionais a seguir um percurso idêntico ao seu, nomeadamente começando como Comissários ou Assistentes de Bordo e depois evoluírem para piloto, mas lamenta que o curso de

 

pilotagem seja caro e impossível de ser suportado pelo “pacato cidadão”. “Tive a bênção de o meu curso ter sido pago pela República de Angola, ainda na altura do partido único”, lembrou.

 

Segundo informou a Comandante, actualmente a profissão de piloto está em escassez. “O avião hoje tornou-se no meio de transporte mais usado nas deslocações internacionais, principalmente, o que provocou um aumento não só das rotas, mas também da própria concorrência entre as companhias, mas o número de pilotos não acompanhou esta alteração do mercado. Há empresas lá fora que oferecem salários chorudos aos pilotos. Talvez seja apenas uma fase”, afirmou a profissional de 53 anos, 35 deles dedicados à aviação.

 

“Na altura em que começámos a trabalhar, não tínhamos os salários que existem hoje. Sinto-me realizada enquanto profissional, mas financeiramente não, porque trabalhei durante muito tempo a quase custo zero porque o salário era tão baixo. A nova geração nunca iria aceitar os salários que nós recebíamos”, desafiou.

 

Hoje, Alexandra Lima já perdeu a conta das horas de voos que já fez, mas informa que nem por isso conhece o mundo, daí que ao nível pessoal, não deixa de viajar para descobrir novos destinos.

 

“Felizmente gosto de viajar, tanto ao nível profissional como pessoal. Conheço o país todo. No período de guerra, tive oportunidades de fazer vários voos desafiantes. Já aterrei no Cuito Cuanavale e na Matala, levei o Movimento Nacional Espontâneo à Alemanha e tive oportunidade de sobrevoar os Alpes. Foi uma experiência única. Ir a China e sobrevoar os Himalaias é espectacular. Esta é a vantagem da minha profissão. estar todos os dias num local diferente. Isso faz-me sentir realizada. Mas também já passei por grandes e maus momentos. Era uma situação de medo voar o país durante o tempo de guerra”, recorda a piloto que, quando os seus dois filhos eram mais novos, muitas vezes viajou com eles para evitar o longo período de ausência de casa, o que permitia que eles descobrissem o mundo e partilhassem mais momentos a mãe.

 

Questionada sobre o espera fazer nos próximos dez anos, respondeu, peremptoriamente: “Ainda me vejo a voar. Dão-me a possibilidade de aposentar-me apenas aos 65, mas quando essa altura chegar não ficarei parada. Vou pôr mochila às costas ir descobrir a parte do mundo que ainda conheço mal, que é a região asiática. Tenho muita vontade conhecer”.

Data de Emissão: 28-02-2023 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã com a Cantora Pérola

Jandira Sassingui Neto (Huambo, 28 de abril de 1983), mais conhecida como Pérola é uma cantora e compositora angolana.[1][2]

Biografia

Nascida na província do Huambo, Pérola é filha de mãe médica e pai advogado e músico (Manuel Sassingui, já falecido, fez parte de um grupo musical, Estrelas do Sul).

Começou a cantar com 8 anos e fazendo assim apresentações de canto e dança para os seus vizinhos e pessoas próximas, como forma de passatempo.[3]

Com nove anos, com a mãe e os três irmãos, teve de mudar-se do Huambo para Luanda por causa da Guerra Civil Angolana. Quatro anos depois foram para Windhoek, capital da Namíbia. Neste tempo continuou os seus estudos e não deixou de parte a música, tendo feito parte de um grupo de música e dança no colégio que então se chamou ´Earth Girls´, tendo actuado na sua instituição várias vezes.

Ainda na Namibia, fez parte de um concurso de descoberta de talentos que foi organizado pela Igreja Católica, tendo vencido como: melhor dueto e melhor performance feminina da noite.[3]

Estudou Direito na Universidade de Pretória, na África do Sul. Aqui teve a primeira grande oportunidade no mundo da música, no programa de caça talentos Coca Cola Pop Stars. Acabaria por ser desclassificada por não ser sul-africana. Tem três filhos com Sérgio Neto, director executivo da Semba Comunicação.[4][5]A valentine, sua primeira filha, nasceu no dia 17 de Outubro de 2012 (no hospital de Lisboa) e Kenzo Zaniel.[6]

Em 2022, foi considerada a cantora nacional com mais seguidores nas redes sociais.[7]

Discografia

  • Os Meus Sentimentos (2004)
  • Cara & Coroa (2009)
  • Ao Vivo no Cine Atlântico ( 2012 )
  • Mais de mim (2014)
    Sincera (2022)
Data de Emissão: 14-02-2023 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã com General Higino Carneiro

Francisco Higino Lopes Carneiro (Libolo, 8 de julho de 1955) é um general, diplomata, empresário e membro do parlamento pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) em Angola.

Ele é, juntamente com os seus colegas generais de carreira João Maria de Sousa, Hélder Vieira Dias, Roberto Ngongo e Kundi Paihama, um dos líderes militares que ocuparam cargos ministeriais e governamentais pelo MPLA durante o Governo de Unidade e Reconciliação Nacional.

Possui a alcunha de “General 4×4” e “Buldôzer”, por sua grande capacidade política como negociador do processo de paz angolano, bem como administrador público.

Carreira política e militar

Galgou posições até tornar-se general das Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA). Ainda em sua carreira militar, nas décadas de 1980 e 1990 Higino Carneiro representou o governo angolano nas negociações com a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) em acordos como o de Alto Cauango, no Moxico, os Acordos de Bicesse em Portugal, no Protocolo de Lusaca na Zâmbia e no Acordo do Luena novamente no Moxico.

Em 1999 foi nomeado governador da província de Cuanza Sul, permanecendo em funções até 2002. Foi nomeado em seguida como ministro das Obras Públicas, permanecendo no cargo de 2002 até 2010, com uma breve licença no período para disputar e eleger-se deputado nas eleições legislativas de Angola de 2008. Entre 2010 e 2012 foi vice-presidente da Assembleia Nacional.

Em 2012 é nomeado governador do Cuando Cubango, ficando na função até 2016. É transferido para governar a província de Luanda entre 2016 e 2017.

Reelegeu-se deputado nas eleições de 2012 e 2017.

PARTICIPANTES
Café da manhã com Lesliana Pereira

Lesliana Massoxi Amaro Gomes Pereira (Soyo9 de outubro de 1987), publicamente conhecida como Lesliana Pereira, é uma apresentadora de TVactriz angolana.

Primeiros anos

Lesliana nasceu na cidade de Soyo, na província angolana do Zaire, porém foi em Benguela, terra natal de seu pai, onde passou grande parte de sua infância, com a família.

Em 1999, aos onze anos de idade, Lesliana muda-se, junto com sua mãe e irmão, para Lisboa, capital de Portugal, devido ao tratamento da doença da sua irmã mais velha, diagnosticada com cancro . Alguns meses depois, a sua irmã vem a falecer. Mesmo com o falecimento da irmã, Lesliana e a sua família continuam a viver em Portugal, mas passando as suas férias em Angola.

Miss Angola 2008

Em 2007, durante as suas férias em Angola , Lesliana resolveu participar do concurso e regressar ao lugar onde nasceu, acabando por ser eleita Miss Zaire 2008.

Em Dezembro do mesmo ano, representou a província em que nasceu no Miss Angola 2008. Na final realizada no dia 14 de Dezembro, Lesliana foi coroada vencedora do concurso , recebendo a coroa da sua antecessora, a Miss Angola 2007Micaela Reis.

Como embaixadora da beleza angolana, Lesliana também participou em diversas campanhas junto ao Instituto Nacional de Luta Contra a Sida, visando a consciencialização da população angolana sobre as formas de prevenção do contágio pelo vírus HIV.

Miss Universo 2008

Como vencedora do Miss Angola, Lesliana recebeu o direito de representar o seu país no Miss Universo 2008, realizado no Vietname. Na final do concurso, a 13 de Julho, ela não foi escolhida como uma das semifinalistas. A vencedora foi a venezuelana Dayana Mendoza.

Durante o concurso, Lesliana foi colega de quarto da Miss Brasil Natália Anderle.

Televisão

A sua carreira na televisão começou quando foi a São Paulo para ser entrevistada por Jô Soares. Após a entrevista, os directores da Globo Internacional convidaram-na para participar de um teste. Foi seleccionada e passou a apresentar o programa Revista África, uma revista electrónica exclusiva para telespectadores africanos e que fala sobre cultura, moda e assuntos de interesse da sociedade de angolana.

No dia 18 de Dezembro de 2010, Lesliana foi a apresentadora do Miss Angola 2011, que coroou a Miss Angola Reino Unido Leila Lopes, que viria a se tornar a Miss Universo 2011.

Cinema

Em um concurso realizado pela apresentadora Xuxa Meneghel em seu programa, o TV Xuxa, Lesliana disputou com Érica Chissapa, outra actriz angolana, um papel no filme Xuxa em O Mistério de Feiurinha. Na final do concurso, a Miss Angola venceu e ganhou a vaga no filme, onde interpretou Fadona.

Lançado no dia 24 de janeiro de 2010, o filme foi um enorme sucesso em Angola, chegando a ultrapassar a bilheteira de Avatar na sua primeira semana de exibição.

Data de Emissão: 31-01-2023 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
Café da manhã com Victor Fernandes
Data de Nascimento: 21 de Novembro de 1978
 
Naturalidade: Bié
 
 
QUALIFICAÇÕES
 
Licenciatura em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico.
 
Engenharia Aeronáutica pela Academia da Força Aérea.
 
 
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
 
2020 Ministro da Indústria e Comércio.
 
2020 Ministro do Comércio.
 
2018 – 2020 Consultor do Secretário de Estado para a Economia Ministério das Economia.
 
2018 Consultor do Ministério das Finanças.
 
2017 Chairman do Global Management Challenge.
 
2016 – 2017 Administrador Executivo do Banco Postal.
 
2012 – 2016 Administrador Executivo da TPA.
 
2007 – 2012 Administrador Executivo do Grupo Score.
 
2003 – 2006 Vice-Presidente do FACIDE – Fórum Angolano para o Conhecimento Científico Inovação e Desenvolvimento.
 
1998 – 2004 Bancário no Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa.
 
Data de Emissão: 24-01-2023 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manha, edição com Tomás Bica

Tomás Bica, administrador municipal do Cazenga, é o convidado a edição de Café da Manhá.

Dono de uma oratória inconfundível, Tomás Bica nasceu no município do Cazenga, em 1981.  Tomás Bica Mumbundo é casado com Judith Silove Gomes Mumbundo, é filho de Adão Cuteia Mumbundo e de Catarina Caxinga Bica.

Iniciou os estudos no ano de 1987 na escola 737 no município do Cazenga. De 2000 a 2003, frequentou o ensino médio, no Instituto de Ciências Religiosas de Angola (ICRA), na especialidade de educadores sociais. É licenciado em direito pela Faculdade de Direito e Relações Internacionais da Universidade Lusíada de Angola e pós-graduando em agregação pedagógica pelo  Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola (IMETRO).

Tomás Bica Mumbundo, já foi primeiro secretário provincial da JMPLA, em Luanda, e vice-presidente para Mobilização e Acção Comunitária da AMANGOLA (União das Associações Locais de Angola).

Cazenga prevê desenvolver 45 projectos este ano

O administrador municipal afirmou que muitas das acções a que se propuseram realizar estão em curso, com realce para 45 projectos estruturantes inscritos no Programa de Investimentos Públicos, proposto no Orçamento Geral do Estado 2023.

No domínio das vias de comunicação, apontou a reabilitação da 4ª e 6a Avenida, no distrito urbano do Cazenga, antiga rua do Dande, no Hoji Ya Henda, a rua da Nossa Senhora de Fátima, a rua do Observatório da Mulemba e a rua da Olímpia e Incubação, bem como a rua da Combal e das Bananeiras, no Kalawenda.

Já estão concluídas a Avenida Hoji Ya Henda, no distrito urbano com o mesmo nome, as infraestruturas integradas no que concerne à iluminação pública, sistema de drenagem, água potável e passeios.

De acordo com o administrador municipal do Cazenga, para o presente ano pretendem construir e apetrechar as sedes das administrações dos distritos urbanos, o posto policial no bairro dos Ossos e a quadra polidesportiva no Hoji Ya Henda, bem como reabilitar o Cine Cazenga e a escola 3014.

A Bacia da BCA, no Tala Hady, a Bacia Catumbela, no 11 de Novembro, e e a Bacia dos Picos, no Kala- wenda, receberão obras.

No âmbito da transparência e governação participativa, ficou o compromisso de realizarem trimestralmente, a partir de 2023, o fórum municipal de prestação de contas, onde os munícipes do Cazenga terão conhecimento de como estão a ser aplicados os recursos financeiros públicos disponibilizados para o município.

“Associada a esta estratégia está em curso a construção de uma unidade sanitária moderna, o centro de saúde do Asa Branca, que vai atender 440 mil e 594 munícipes, em cuidados primários de saúde, em conjunto com as outras unidades já existentes.

Data de Emissão: 17-01-2023 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): JMPLA, João Lourenço, MPLA
Café da manha, edição com António Manuel

Café da manhã, edição com António Monteiro Manuel. Médico, figura que deu a sua contribuição para a libertação de Angola. 

Data de Emissão: 03-01-2023 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
Café da manha, Edição com Albina Assis

Albina Faria de Assis Pereira Africano, mais conhecida como Albina Assis ou Albina Africano (Luanda3 de junho de 1945), é uma química e política angolana.

Ocupou vários cargos no setor público angolano, incluindo Ministra do Petróleo (1999-2000/2002) e Indústria (2000), Assessora Especial da Presidência para os Assuntos Regionais (2018-presente) e Presidente do Conselho de Administração da Sonangol (1992-1999).

Biografia

Albina Faria de Assis Pereira Africano nasceu em 3 de junho de 1945, em Luanda, à época ainda capital da África Ocidental Portuguesa. Se formou no ensino técnico-secundário no Instituto Industrial de Luanda, em 1967.

Percurso acadêmico

Em 1972, três anos antes de Angola se tornar independente, Albina Africano começou a estudar química, na então Universidade de Luanda. Por conta da guerra, somente conseguiu licenciar-se em química em 1982, já pela Universidade Agostinho Neto.

Especializou-se nas ciências da produção de petróleo, incluindo intercâmbios e estágios em Antuérpia (1984), no Instituto Francês do Petróleo – Novas Energias (1987) e no Instituto para Estudos de Energia da Universidade de Oxford (1989).

Carreira profissional

Antes de concluir seus estudos, Albina Africano trabalhou como professora primária (1968-1975), e; após a independência, em 1976, juntou-se às fileiras do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), tornando-se diretora do departamento de análises no Laboratório Nacional de Análises Químicas em Angola, onde permaneceu até 1983.

Albina Africano juntou-se, ainda em 1983, à Fina Petróleos de Angola (Petrangol; atual Sonangol Refinaria de Luanda), onde trabalhou durante dois anos como química, antes de ser promovida a diretora-adjunta do departamento de refinaria da Petrangol/Total em Angola (1985-1991).

De agosto de 1991 a dezembro de 1992 foi membro do conselho da petroleira estatal Sonangol. Em 1992 Angola realizou as suas primeiras eleições multipartidárias, e Albina Africano foi chamada pelo governo para chefiar a Sonangol, numa tentativa de dar visão mercadológica à estatal, dado sua experiência na iniciativa privada. Chefiou a empresa até 1999.

Serviu, após a experiência na Sonangol, como Ministra do Petróleo e Ministra da Indústria, antes de se tornar Assessora Especial da Presidência para os Assuntos Regionais.

Entre 2004 e 2005 e 2010 e 2012 foi presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Trabalhou ainda como Comissária-Geral do Pavilhão de Angola na Exposição Universal de 2015, em Milão, sendo depois eleita Presidente do Comitê Diretivo do Colégio de Comissários Gerais da Expo Milão 2015. No mesmo ano tornou-se presidente do Banco Alimentar de Angola.

Data de Emissão: 27-12-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
Café da manha, Carlos Alberto Hendrick Vaal da Silva

Aos seus quase 75 anos, Carlos Alberto Hendrick Vaal da Silva,dirige um dos maiores clubes desportivos do país, o 1° de Agosto.
Pelo retrovisor encontramos um filho da Caconda, nono de 13 irmãos, antigo soldado do exército português, guerrilheiro da luta anticolonial, ex.desportista e, hoje, General das Forças Armadas Angolanas.

 

Café da manha, Edição com Gilberto Luther
Gilberto Luther é da geração que pede a palavra.
Da geração de 70, nascido no dia 27 de Maio.
Data de Emissão: 13-12-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): FNLA, LAC, Luisa Fançony, RNA
Café da manhã com Henda Inglês

Henda Essanju Inglês – PCA da Empresa Nacional de Bilhética Integrada

O Sistema Nacional de Bilhética é um mecanismo integrado de cadastramento (presencial e online), dos passageiros de transportes públicos colectivos.

O economista Henda Essanju Inglês foi nomeado presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Bilhética Integrada, entidade que, doravante, assume a tarefa de implementar e gerir o sistema de bilhética, incluindo os passes sociais e regulares dos transportes públicos colectivos de passageiros.

A apresentação da nova empresa e do Conselho de Administração teve lugar no Ministério das Finanças, em acto testemunhado pelos secretários de Estado das Finanças e Tesouro, Ottoniel dos Santos, do Orçamento e Investimento Público, Aia-Eza da Silva e dos Transportes Terrestres, Jorge Bengue Calumbo.

A nova empresa integra o Sector Empresarial Público, com a designação ENBI, S.A – Empresa Nacional de Bilhética Integrada.

O Sistema Nacional de Bilhética é um mecanismo integrado de cadastramento (presencial e online) dos passageiros de transportes públicos colectivos, para a emissão de passes sociais (subsidiados), para crianças, estudantes, jovens, pessoas com necessidades especiais, cidadãos de terceira idade e veteranos da pátria. Vai também cuidar dos passes regulares para o público em geral.

Segundo um documento do Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), como benefícios associados ao funcionamento do Sistema Nacional de Bilhética Integrada, destaca-se a dinamização das políticas sociais, maior facilidade e fluidez no embarque de passageiros, alargamento da rede venda de bilhetes e tarifas electrónicas, através de novos canais de venda “online” e centrais de atendimento.

Data de Emissão: 05-12-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Bié, Brasil, Huambo, Luanda
Café da manhã com Margareth Nanga

Professora, formada em direitos Constitucional e Direitos Reais pela Universidade Católica de Angola

Data de Emissão: 29-11-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Bié, Brasil, Huambo, Luanda
Café da manhã com Jaime Morais
 

Jaime José monteiro de Morais aos 17 anos de idade, a 18 de Outubro de 1975, começou a sua vida profissional como locutor/reporter da Televisão Popular de Angola, na altura Rádio Televisão popular de Angola.

Data de Emissão: 22-11-2022 às 07:30
Café da manhã com Carlos Alberto Masseca

Cardeal Dom Alexandre do Nascimento. A unidade sanitária conta com equipamentos modernos e de última geração que garantem um melhor diagnóstico e tratamento de doenças cardio-pulmonares.

O director-geral do complexo hospitalar, o médico Carlos Alberto Masseca, assegura que os utentes encontrarão um serviço humanizado e de qualidade, com sentido de responsabilidade e patriótico.

O gestor hospitalar entende que a infraestrutura tem uma dimensão social, uma vez que se dedica ao tratamento de doenças, e uma dimensão política porque confirma o empenho e dedicação do Presidente da República em causas nobres dos angolanos, concretamente na melhoria das condições de saúde e do bem-estar da população.

O Complexo Hospitalar de Doenças Cardio-Pulmonares Cardeal Dom Alexandre do Nascimento ocupa uma área de 49.940 metros quadrados, sendo 34.770 metros quadrados com infraestruturas ampliadas e 11.907 metros quadrados com infraestrutura reabilitadas.

Neste espaço, há cinco edifícios de quatro pisos, um corpo de ligação, um edifício de formação com laboratório de simulações médicas, um edifício técnico e pavilhão anexo.

A unidade hospitalar têm 500 camas, das quais 90 com capacidade para realização de hemodiálise, bem como um serviço de telerarradiografia, que permite a interação com outros especialistas, incluindo do exterior do país, para um melhor diagnóstico.

Um laboratório de histocompatibilidade, o primeiro no país, também foi instalado no complexo hospitalar, que vai prestar serviços de alta complexidade nas especialidades de cirurgia cardíaca, vascular e toráxica, de cuidados intensivos, neurocirurgia, cardiologia, pneumologia, angiologia, obstetrícia, pediatria, medicina interna, endocrinologia; neurologia, nefrologia, gastrenterologia; alergologia; reumatologia; infecciologia; oftalmologia; otorrinolaringologia e de urologia.

O antigo Hospital Sanatório de Luanda, transformado em Complexo Hospitalar de Doenças Cardio-Pulmonares, começou a ser reabilitado e ampliado em Março de 2018, depois da visita do Presidente da República, João Lourenço, em Dezembro de 2017, em que constatou o seu estado avançado de degradação.

No fim da visita, o Presidente da República orientou a reabilitação imediata, ampliação e apetrechamento do hospital para dar maior dignidade aos pacientes e aos funcionários.

Data de Emissão: 15-11-2022 às 07:30
Café da manhã com Manuel Rodrigues Boal
Manuel Rodrigues Boal. Natural da Muxima, nascido em Maio de 1934. Foi membro do corpo voluntário Angolano de assistência aos refugiados, um estrutura que teve como cede o Congo Kinshasa, fez parte da famosa FUGA DOS 100. 
Data de Emissão: 08-11-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
Café da manhã com Lussinga Kassungo Mutu Ya Kevela Jamba Seteco
CAFÉ DA MANHA COM Lussinga Kassungo Mutu Ya Kevela Jamba Seteco, filha de Jaka Jamba. Ela vem falar do livro, Armalindo Jaka Jamba – Ecos de Colina.
Neste livro em interlóquio, a juventude encontrará um exemplo de determinação, coragem e fidelidade aos ideais nobres de amor à Pátria, aos concidadãos e compatriotas, sem discriminação das cores políticas. Uma lição de coerência de pensamento…
Data de Emissão: 01-11-2022 às 00:07
Género(s): Entrevista
 
Café da manhã com Major-General Raul Cunha
Ele é, orgulhosamente, natural do Maputo-Moçambique, então colónia de Portugal.
Hoje Major-General do Exército de Portugal, na reforma, Raúl Luís Cunha, é o meu convidado no Café da Manhã.
Mestrado em Ciências Militares e doutorando em História e Estudos de Segurança e Defesa, foi Conselheiro Militar do Representante Especial do Secretário Geral da ONU no Kosovo.
Incidiu a sua carreira nas Forças Especiais do Exército-Operações Especiais, Comandos e Paraquedistas.
Prestou serviços na “European Community Monitoring Mission in Yugoslavia, serviu na área das Forças Europeias, no EUROCORPO E EUROFOR.
Esteve colocado no “NATO Joint Analysis and Lessons Learned Center”.
 
Data de Emissão: 25-10-2022 às 07:00
Café da manhã com Elias Miguel historiador e conhecedor da Luanda antiga

Café da manhã, Elias Miguel. Homem conhecedor da Luanda antiga.

Data de Emissão: 18-10-2022 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Manuel Homem
Café da manha, Agostinho Raimundo de Sousa e Santos

Café da manha, Agostinho Raimundo de Sousa e Santos. Natural de Malanje. Foi Secretário de Estado das Obras Públicas, foi Secretário de Estado de Matérias de Construção, Director Nacional das Obras Públicas.

Data de Emissão: 11-10-2022 às 07:31
Café da manha, Edição com Guilherme Mogas

Guilherme Ysenbout Mogas, aos 70 anos, tem uma vida tão preenchida de realizações e peripécias que dava para escrever uma bem nutrida autobiografia ou um livro de memórias. Inventor certificado, patentou, entre outras invenções, um “sistema de visão para cegos”, um “colchão ventilável”, um “sistema de segurança por infravermelhos ou ultra sons para viaturas especialmente automóveis contra acidentes” e, mais recentemente, um “dispositivo de combate a incêndios” na forma de um drone, que está em fase avançada de testes em Portugal para sua eventual adopção pelos Bombeiros.

Em 1971. Quando surge o 25 de Abril de 1974 eu estava  na Rádio, na área técnica, e depois faço a transição para Angola Independente. 

criámos um grupo de inventiva na RNA, que tinha essa capacidade de arranjar soluções. No grupo havia o Domingos das Neves, que comungava muitas das minhas ideias e era um técnico brilhante, que deu muita ajuda numa altura em que era precisa muita criatividade. Muitos de vós estão a sentir agora o que é a guerra através do que se diz da Ucrânia… Na guerra a primeira coisa que acontece são os cortes de energia e do abastecimento de água. Sabe o que é fazer radodifusão em Angola com 22 emissoras sem energia eléctrica? Foi preciso uma dose muito grande de resiliência. Quando eu era director e ia para as províncias eu costumava dizer que era um mendigo, no bom sentido, de gasóleo. Eu saía directo do avião para a delegação da Sonangol pedir “por favor, queremos gasóleo, queremos gasóleo”, porque era tudo feito a gasóleo. E a Sonangol para pôr em determinadas províncias gasóleo era muito complicado. E sabe que a dada altura houve uma sabotagem na refinaria de Luanda, que ardeu durante vários dias… Enfim, era um objectivo militar. A situação esteve mesmo complicada. Nesse ambiente fazer radiodifusão exigia uma imaginação muito grande e eu tinha aquele grupo de pessoas com enorme criatividade. Conseguimos resistir e transformar a RNA no que é hoje.

Aos 70 anos fui promovido a coordenador. Eu e a Luísa Fançony somos os coordenadores do projecto. Os jornalistas, de uma maneira geral, e os que estiveram connosco nessa “aventura” desde a Independência até 1992 diziam-nos sempre que tínhamos que deixar um legado às novas gerações e que nós é que tínhamos a autoridade moral e a capacidade de coordenar porque estivemos em todos os momentos. Infelizmente muitos dos nossos companheiros que também fizeram essa trajectória já faleceram e coincidentemente somos dos poucos que estão vivos. Olha que no lançamento do livro encontrei o meu grande amigo Lucrécio de Jesus Martins da Cruz. Nos autógrafos do livro fui escrevendo “Fui o culpado”, “Assumo, fui o culpado”…

 

Culpado de quê?

Porque apareceram pessoas que diziam “O senhor Mogas foi o culpado de eu ter ficado na Rádio e ter feito a trajectória que fiz”… Foi-nos pedido por alguns jornalistas que coordenássemos a obra, que tem depoimentos dos que fizeram toda aquela gesta da RNA. Depois do livro feito e após algumas situações que vivi, cheguei à conclusão que devíamos ter feito um capítulo dedicado ao apoio que nós demos aos movimentos de libertação da África Austral e não só. Incrivelmente, no dia 5 de Outubro passado recebi uma mensagem, que para mim é muito comovente, de Timor Leste, a dizer “é o vosso dia e o povo maubere quer agradecer…” Para mim que saí da Rádio há trinta anos! O programa da FRETILIN [Frente Revolucionária de Timor Leste Independente] era feito cá e ia para o ar em ondas curtas. Tive também um incidente, que para mim foi uma espécie de certificado de habilitações, quando há cerca de quatro ou cinco anos visitava a África do Sul com a família, em turismo. Fui visitar a cadeia onde Mandela esteve preso, na ilha de Robben. Quem fazia de guia eram antigos colegas de cárcere de Mandela. Éramos um grupo de montes de turistas, principalmente europeus e americanos. Depois de se fazer a visita o guia perguntou “quem tem dúvidas?”. Toda a gente perguntou coisas das mais díspares e eu só fiz uma pergunta: “Vocês ouviam o programa radiofónico do ANC?”. E ele respondeu: “No meio das restrições que tínhamos aqui, era a única luz ao fundo do túnel”. E perguntei mais: “Vocês sabem onde é que era emitido o programa do ANC?”.  “Da África do Sul é que não, senão as autoridades do apartheid localizavam e partiam tudo”, respondeu o guia. Então expliquei: “O programa era emitido de Angola, da Rádio Nacional de Angola e eu era o director”. O senhor meteu o dedo no ar e disse, com lágrimas nos olhos: “Tu ajudaste a nossa libertação!”. Abraçou-me e todos aqueles turistas não conseguiam perceber o que se passava. Isto é o maior certificado de habilitações que eu transmito aos meus filhos. É que estivemos do lado certo da História.

 

Data de Emissão: 04-10-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): FNLA, LAC, Luisa Fançony, RNA
Café da manhã com Dárdano Santos

Dárdano Santos nasceu em Angola, viveu e trabalhou em Portugal, e regressou a Angola para realizar o sonho de inspirar apaixonadamente as pessoas.

Tem sido através da “Causa” que acredita e dos desafios que tem abraçado enquanto empreendedor, que tem ajudado as pessoas a descobrir uma Vida Plena no seu máximo potencial.

Acredita que o mundo forma líderes, mas por vezes desvaloriza a maior força que existe na formação de um líder e das organizações: os seus seguidores. Haverão bons líderes sem bons seguidores?

No seu mais recente livro “A Arte de Seguir Alguém”, com edições em Angola e Moçambique pela Plural Editores, explora este conceito, transmitindo a sua visão.

Como Social Entrepreneur, Leadership Speaker e Writer tem participado em diferentes eventos como o
Tedx Luanda 2013, a Conferência da Elite Careers e a conferência da CPLP sobre Empreendedorismo.

É certificado e acreditado como Coach pela International Coaching Community, e tem certificações em Desenvolvimento da Gestão Socialmente Responsável e em Directrizes sobre Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável.

Tem um percurso profissional transversal a várias áreas de negócio, como: banca, áreas comerciais, formação, “falar” em público e desenvolvimento pessoal.

Foi Director da Direcção de Mecenato e Investimento Social, Projecto LOGOS e Negócio Institucional do Banco Privado Atlântico.

Keynote Speaker, Social Entrepreneur, fundador da Conferência Internacional de Liderança Move Angola e MOVE+ mentor de líderes e autor do livro “A Arte de Seguir Alguém”, com edições em Angola e Moçambique.

Desempenhou funções como Assessor da Administração na Academia BAI e como Director do Gabinete de Comunicação e Marketing.

Actualmente é Director de Comunicação e Imagem na WeeConnect.

Data de Emissão: 27-09-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã Margareth Galho Platon

Formada em Direito do Mar e Ciência Política.

Data de Emissão: 20-09-2022 às 07:30
PARTICIPANTES
Café da manhã com Caetano de Sousa

Em 1992, criou-se o Conselho Nacional Eleitoral, primeira organização eleitoral que fez as eleições de 1992. Começámos por denominá-lo de Conselho. Depois, em 2005, por aí, é que se criou a Comissão Nacional Eleitoral. Portanto, eu fui o presidente do Conselho, inicialmente, e, depois, também fui nomeado presidente da Comissão Nacional Eleitoral. Em 1992, era a primeira vez que nós fazíamos eleições. Tivemos que fazer processos de sensibilização, nomeadamente, aos partidos políticos, sendo que nenhum deles, grandes e pequenos, estava preparado para essa situação, razão pela qual tivemos que fazer esse trabalho. Trabalhámos muito activamente com os partidos políticos e, é claro, os partidos mais organizados, sempre se desenvolveram. Nós fizemos várias acções, quer em Luanda, quer nas outras províncias, e tivemos a sorte de organizar as eleições, que, no nosso entender, correram bem e de forma organizada. Tivemos a colaboração das Nações Unidas e de outros países.

Data de Emissão: 26-07-2022 às 07:30
PARTICIPANTES
Café da Manha com Luzia Inglês
 

Luzia Pereira de Sousa Inglês Van-Dúnem (Luanda, 11 de janeiro de 1948) é uma militar e política angolana. Filiada ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), é deputada de Angola pelo Círculo Eleitoral Nacional desde 28 de setembro de 2017. Desde 1999, é a secretária-geral da Organização da Mulher Angolana (OMA).

Van-Dúnem nasceu em Luanda, capital de Angola, em janeiro de 1948, sendo filha do reverendo metodista Guilherme Inglês. Em 1961, Guilherme foi assassinado por forças coloniais no rescaldo da Revolta de 15 de Março. Em 1967, Van-Dúnem mudou-se para a República do Congo, estudando no Liceu 4 de Fevereiro. Entre 1969 e 1970, frequentou um curso militar de rádio e telecomunicações na União Soviética. Em 1973, tornou-se chefe da Estação de Comunicações da Cassamba.

Em 1974, Van-Dúnem retornou para a Angola no mesmo avião do Presidente Agostinho Neto. Durante a Guerra de Independência de Angola, foi operadora radialista nas 2ª e 3ª regiões político militar. De 1976 a 1991, chefiou o centro de comunicações do comandante em chefe das Forças Armadas Angolanas.

Van-Dúnem casou-se com Afonso Van-Dúnem M’binda, antigo embaixador angolano na Organização das Nações Unidas (ONU), tendo quatro filhos. Quando Afonso foi designado embaixador em 1991, Luzia coordenou o Grupo de Mulheres Africanas na ONU. Em 1999, Van-Dúnem foi eleita secretária-geral da Organização da Mulher Angolana (OMA), a ala feminina do MPLA, sendo sucessivamente reeleita para o cargo.

Em 2014, tornou-se a primeira mulher angolana a ser promovida ao posto de oficial general das Forças Armadas Angolanas; a promoção foi decretada pelo Presidente José Eduardo dos Santos. Nas eleições gerais de 2017, Van-Dúnem foi eleita deputada de Angola pelo Círculo Eleitoral Nacional. O MPLA havia colocado-a como a mulher na melhor posição de sua lista de candidatos.

Café da manha com José António Lopes Semedo

José António Lopes Semedo é mestre em Direito e entre 1971 e 1984 foi professor primário e secundário. No período que vai de 1971 e 1993 foi docente e regente das cadeiras de Direito Internacional Privado, Direito Comercial Internacional e Arbitragem na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto. Entre 2004 e 2017 exerceu as funções de Reitor da Universidade Gregório Semedo, das quais se desvinculou, por ter sido eleito deputado à Assembleia Nacional.

Como jurista exerceu vários cargos, entre os quais o de procurador militar das Forças Armadas, entre 1977  e 1984, trabalhou ainda na secção dos Assuntos Jurídicos do Bureau Politico do MPLA, entre 1986 e 1991, e entre 1991 e 1993 foi conselheiro jurídico do Governo de Angola nas negociações do processo de paz com a UNITA, tendo pertencido ainda à Comissão de Elaboração da Lei Constitucional. 

O antigo reitor da Universidade Gregório Semedo, José António Lopes Semedo, foi distinguido, em Luanda, com o grau de Doutor Honoris Causa, pelo seu trabalho enquanto promotor e primeiro reitor daquela unidade académica, bem como pela sua contribuição científica a nível do ensino superior, do direito em particular e do desenvolvimento da jurisprudência angolana.

 
Data de Emissão: 05-07-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
Café da manhã com Carlos Cunha
 

Num dia de Dezembro de 1951 nasce José Carlos Teixeira Gil Cunha ou simplesmente Carlos Cunha. Mãe de Pungo Andongo e pai português, Malanje é a terra que o viu nascer e nela dedica especial carinho como filho e hoje também empresário. É com este homem, da geração do basquetebol de Malanje, do célebre e inesquecível “..abraço histórico..

Data de Emissão: 28-06-2022 às 00:00
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com Roberto Leal Monteiro Ngongo

Foi vice-ministro da Defesa até 2006, quando foi escolhido pelo Presidente da RepúblicaJosé Eduardo dos Santos, a ser o Ministro do Interior.

Ngongo foi demitido do Cargo a 27 de setembro de 2010, pelo Presidente, depois do episódio que gerou a crise diplomática entre Angola e Portugal, quando o Ministro mandou os agentes angolanos prender o empresário português Jorge Oliveira (que estava refugiado em São Tomé e Príncipe, outro país lusófono), acusado de fraude, no final de 2009 para o mandar de volta para Angola.

Na época, o caso recebeu duras críticas aos Governos português e são-tomense, pois não houve pedido de extradição.

Depois de o Ministério do Interior ter reconhecido “o grave erro em que incorreu”, ao mandar prender um criminoso português que se encontrava em liberdade num terceiro país, a Casa Civil do Presidente da República, anunciou que o Presidente demitiu o ministro.

Atualmente é deputado á Assembleia Nacional pelo partido MPLA, sendo o presidente da segunda comissão parlamentar (Comissão de Defesa, Segurança, ordem interna e antigos veteranos da pátria).

Data de Emissão: 20-06-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Eleições Gerais 2022
Café da Manhã com Édson Santos de Souza

Édson Santos de Souza (Rio de Janeiro21 de julho de 1954) é um sociólogo e político brasileiro filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). Entrou para a política filiado ao Partido Comunista do Brasil em 1985, transferindo-se para o Partido dos Trabalhadores em 1994 por onde foi deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro. Durante sua carreira política, foi vereador da cidade do Rio de Janeiro, sendo eleito vice-presidente da Câmara de Vereadores.

Foi eleito Deputado Federal em 2006 e reeleito em 2010, porém não conseguiu se reeleger novamente em 2014.

Tem histórico de participação em decisões para igualdade racial, tendo sido, entre 2008 e 2010, Ministro-Chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

Nasceu no bairro do Horto, no Rio de Janeiro. Cursou Ciências sociais na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) no início da década de 1980, quando foi diretor da União Nacional dos Estudantes. Também foi presidente do Conselho de Moradores da Cidade de Deus, onde viveu por mais de dez anos.

Foi filiado ao Partido Comunista do Brasil de 1985 a 1994, quando se filiou ao Partido dos Trabalhadores. É membro do Diretório Nacional desta legenda desde 2006. Foi vereador da cidade do Rio de Janeiro de 1989 a 2006, por quatro mandatos consecutivos. Foi vice-presidente e presidente da Comissão Permanente de Transportes e Trânsito da Câmara de 1993 a 1996. Em 1998 fez mestrado em administração de empresas no Instituto Alberto Luiz Coimbra da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi eleito segundo vice-presidente da Câmara de Vereadores em 2005 e também presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Moradia Popular. Participou de 16 Comissões parlamentares de inquérito. Aprovou a lei que criou o Conselho Municipal de Política Urbana (COMPUR), a lei que instituiu o Feriado Municipal de Zumbi dos Palmares, em 20 de novembro, e a lei da meia-entrada para estudantes em eventos culturais.

Foi canditado a senador pelo estado do Rio de Janeiro em 2002, tendo recebido cerca de 1,8 milhão de votos, ficando em quarto lugar, à frente de nomes como Artur da Távola e Leonel Brizola. Em 2006, foi eleito deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores. Em 2007, foi responsável pela instalação do monumento a João Cândido, líder da Revolta da Chibata, nos jardins do Museu da República, de costas para o Palácio do Catete e de frente para o Atlântico. Em 2008, enquanto disputava a pré-candidatura à prefeitura do Rio de Janeiro, foi escolhido pelo governo federal para assumir a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Substituiu Matilde Ribeiro, envolvida no escândalo dos cartões corporativos.

Em 31 de março de 2010, deixou o Governo para concorrer ao cargo de Deputado federal, tendo sido eleito para mandato na Câmara dos Deputados, em Brasília, até 2014. Nas eleições de 2014, concorreu à reeleição como Deputado federal, mas não logrou eleger-se.

Data de Emissão: 14-06-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
Café da manhã com o escritor Dario de Melo

Edição especial em homenagem ao escritor Dario de Melo, pelo seu passamento físico dia 05 de Junho de 2022 . 

 

O escritor Dario de Melo, considerado o pai da literatura infantil angolana, morreu domingo, na cidade de Benguela, sua terra natal, vítima de doença, aos 85 anos.

Homem das letras, Dario de Melo foi cronista, editor no Instituto Nacional do Livro e do Disco, professor, inspector escolar, radialista, funcionário do Ministério da Informação e gerente agro-pecuário.

Em reacção à morte do escritor, a esposa Elizabete Maria Pereira considerou ser um duro golpe, tendo recordado as crónicas de autoria do marido que eram lidas todas as quartas-feiras no programa “Boa Noite Angola” da Rádio Nacional de Angola (RNA). “Dario deixou escritos que não foram lidos e que vão ficar para recordação apenas”, disse Elizabete Maria Pereira, sublinhando que “ele partiu mas foi muito feliz, pois deixou grandes amizades em Angola e no mundo”. 

O ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Silvino de Pina Zau, em nota de condolências, refere que foi com profunda dor e consternação que tomou conhecimento do passamento físico do escritor Dario de Melo, ocorrido domingo, na cidade de Benguela, por doença. “Nesta hora de dor e luto, o ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Silvino de Pina Zau, em nome de todos os seus colaboradores, endereça à família enlutada os sentimentos de pesar”,refere a nota. 

O Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS) lamentou, ontem, a morte do jornalista, escritor e professor, Dario de Melo, ocorrida domingo, na província de Benguela, vítima de doença.

Em mensagem de condolências, o MINTTICS destaca as várias funções exercidas por Dário de Melo, como de inspector escolar, editor no Instituto Nacional do Livro e do Disco, bem como a de funcionário do Ministério da Informação, de 1992 a 1994.

Neste momento de dor e luto, o ministro Manuel Homem, em seu nome próprio e do colectivo de trabalhadores do MINTTICS, endereça à família enlutada, amigos e colegas os mais sentidos sentimentos de pesar.

O secretário-geral da União dos Escritores Angolanos (UEA), David Capelenguenha, que confirmou ao Jornal de Angola a morte do confrade, afirmou que Dario de Melo é um dos nomes mais sonantes da literatura infantil angolana, escritor, jornalista e cronista, nome importante da literatura angolana”.

De acordo com o secretário-geral da UEA, Dario de Melo morreu na cidade que o viu nascer, Benguela “foi onde passou os seus últimos anos de vida e é um grande constrangimento para nós, um membro muito activo, uma pessoa dedicada e en-gajada para a actuação da União dos Escritores Angolanos, tendo exercido de 1992 a 1994 a função de presidente da Mesa da Assembleia-Geral”.

O líder da associação cultural mais antiga continua “quanto a mim, particularmente, eu tinha uma grande afeição, uma aproximação com ele, lembro-me que há coisa de duas semanas passou por Luanda mas infelizmente não nos encontramos. Tínhamos contacto permanente, em Outubro do ano passado ligou para mim a pedir a chancela da União dos Escritores Angolanos para publicar o livro infantil  que estava a concluir”.

Na verdade, lamentou David Capelenguenha, estamos na situação muito constrangedora e porque sabemos que cada vez mais a União dos Escritores vai perdendo alguns dos membros, nos últimos três anos perdemos qualquer coisa como cinco membros. É uma tristeza muito grande e neste momento de dor e luto quero manifestar em meu nome e da União endereçar à família enlutada, aos amigos e colegas os meus sentimentos de pesar.

O escritor Gociante Patissa lamentou o infortúnio nos seguintes termos: “calou-se uma reserva moral. Com a partida de Dario de Melo fica cada vez mais pobre todo o processo histórico e intelectual. Dario de Melo desdobrou-se em muitos papéis desde a cultura ao jornalismo entre outros, o seu testemunho fica marcado junto daqueles que sempre souberam lidar com ele”.

Já a escritora para crianças Marta Santos, com a voz trémula, frisou: “Dario de Melo foi o meu mestre e para mim é o Pai da Literatura Infantil e com muita pena não pude despedir-me dele nestes últimos dias que passou por Luanda. É um grande exemplo para nós, infelizmente nos últimos dias foi esquecido, algo que tem acontecido com muitos que fazem cultura, eu penso que as pessoas devem ser homenageadas e reconhecidas em vida”.

A escritora continuou: “Peço que nesta hora façam uma merecida homenagem. Ele será sempre lembrado por mim porque acreditou e editou o meu primeiro livro, hoje sou escritora e devo-lhe. Quando fui homenageada internacionalmente ele manifestou a satisfação, hoje confirmei esta triste notícia, falei com os familiares e espero que Dario de Melo descanse em paz e com luz do Senhor”.

Dario de Melo tem as im-pressões no movimento da literatura e canção infantil ao lado de Cremilda de Lima, Gabriela Antunes, Octavi-ano Correia, Carlos Ferreira “Cassé”, Filipe Zau e outros que nos primeiros anos da independência envolveram-se no projecto da criação do Homem Novo. Na literatura infantil encontramos “Estórias do Leão Velho” (1985), “Vou Contar” (1988), “Aqui, mas do Outro Lado” (2000) e “As Sete Vidas de um Gato” (2002), com o qual obteve o prémio PALOP-1998 de Língua Portuguesa de Literatura Infantil. Em poesia publicou um livro, intitulado “Onda Dormida”.

Dario de Melo nasceu a 2 de Dezembro de 1935 em Benguela, cidade em que morreu a 5 de Junho de 2022. Exerceu várias profissões como a de docente, inspector escolar, editor no Instituto Nacional do Livro e do Disco e funcionário do Ministério da Informação. Enquanto jornalista, trabalhou na rádio, foi director da Voz do Bié, em 1972, da Tveja (Revista de Televisão Pública de Angola), em 1983, do Jornal de Angola e do Correio da Semana (que fundou juntamente com Manuel Dionísio), em 1991, e do Jornal Jango, em 1992. Também publicou diversos artigos na imprensa.

 

 

Data de Emissão: 07-06-2022 às 07:30
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Manuel Bernardo Junbior (Mambelé)

 Café da Manhã com Manuel Bernardo Junior (Mambelé). Dedicou a sua juventode a luta de libertação Angolana, foi preso no campo de São Nicolau na altura da clandestinidade. 

Data de Emissão: 31-05-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã com Manuel dos Santos Lima

Manuel dos Santos Lima nasceu a 28 de janeiro de 1935, na província do Bié, em Angola. O seu pai era oriundo de São Tomé, facto que marcará a sua obra Sementes da Liberdade.

Desde jovem que o autor se destaca apresentando-se como o primeiro classificado no exame de quarto ano. Aos doze anos, foi para Lisboa estudar no liceu Camões e, posteriormente, estudar na Faculdade de Direito (1953). Foi colega de Francisco Sá Carneiro, Jorge Sampaio e Pinto Balsemão. Todavia, o desencanto conduziu-o a desistir de Direito.

Participou no primeiro congresso de escritores e artistas negros, em Paris, em 1956. Trabalhou com Senghor e Cesaire na Présence Africaine.

Santos Lima foi o primeiro oficial negro do exército português, mas desertou para lutar pela independência de Angola. Desertou em Damasco, seguindo depois para Beirute, onde havia um núcleo nacionalista angolano, dirigido por Marcelino dos Santos. Coube-lhe a formação do Exército Popular de Libertação de Angola.

Entre 1961 e 1963 participou na Guerra Colonial. Porém, resolve deixar o MPLA por divergências com a liderança de Agostinho Neto. Entre 1963 e 1968, estudou Literatura Comparada, na Suíça e a sua tese foi sobre a obra de Castro Soromenho (1975), seu amigo pessoal. A tese foi escrita entre o Canadá e a Suíça

Leccionou no Canadá até 1982. Ensinou Literatura portuguesa, francesa e espanhola. Leccionou em Rennes, durante 20 anos, e em NantesLisboa (Universidade Moderna) e Angola (Universidade Lusíada). Encabeçou o MUDAR – Movimento de Unidade Democrática para a Reconstrução – partido oposicionista do regime – sendo convidado para o fazer ainda em Rennes, em 1991.

Actualmente vive em Portugal.


Obras escritas por Manuel dos Santos Lima:

  • Kissange (1961) – volume de poesias,
  • A Pele do Diabo (1977; “The Skin of the Devil”) – a peça do teatro,
  • As Sementes da Liberdade (1965; “The Seeds of Liberty”) – o primeiro romance,
  • As Lagrimas e o Vento (1975; “Tears and Wind”) – o romance,
  • Os anões e os mendigos (1984; “Dwarfs and Beggars”) – o romance.


As Sementes da Liberdade (1965; “The Seeds of Liberty”)

O seu primeiro romance foi publicado no Brasil com a ajuda de Jorge Amado, que o enviou a Ênio Silveira, da Civilização Brasileira. O objetivo principal deste romance era apresentar brancos e negros como vítimas do sistema colonial. De forma episódica, discute-se os costumes, as realidades sociais e a aculturação, que está ligada ao choque de culturas no ambiente rural africano. O autor recria as realidades de animosidades raciais e sociais a partir de uma perspetiva original. O autor conta a história do confronto cultural e da mudança social. O autor apresenta a história de três gerações através do processo de uma volta às raízes africanas e pelo motivo da terra que é o importante para os africanos.

As Lagrimas e o Vento (1975; “Tears and Wind”)

Após a independência em Angola, o autor Manuel dos Santos Lima publicou o seu segundo romance, que demonstrou melhorias consideráveis no domínio das técnicas narrativas. A história é contada por um oficial de guerrilha, que desertou do Exército Português. Este romance permaneceu inédito até a conquista da independência.


Os anões e os mendigos (1984; “Dwarfs and Beggars”)

O romance metaforiza a população angolana (e africana, em geral) em anões, e os dirigentes em mendigos. O romance mostra o destino de Davi Demba como o líder, embora hesitante, da libertação da Costa da Prata. Este, após a consumação da independência, personaliza o poder e instaura, ao longo da narrativa, o que a dedicatória e as epígrafes do livro anunciam: a não independência de países africanos, a destruição de sonhos, o totalitarismo, as lutas fratricidas, os crimes e as vinganças.

Data de Emissão: 24-05-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da Manha com Manuel Alegre
 

Por ocasião de mais um ano da revolução dos Cravos, o Café hoje é com Manuel Alegre.

Homem de Cultura, Formado em direito, foi atleta de natação, Fez a sua vida militar em Angola pelo exercito Português onde viria a ser Preso em Angola, Jornalista por 10 anos.

Data de Emissão: 26-04-2022 às 07:00
Café da Manhã com Drª. Manuela Sande

Café da Manhã com Drª. Manuela Sande, Especialista em Endocrinologias e Bioquímica Clinica, professora Universitária.

Data de Emissão: 19-04-2022 às 07:00
Café da Manha com João Pinto
 
Político e docente universitário, João Pinto Manuel Francisco é o convidado do Café da Manhã da LAC. Fiel às suas convicções, o hoje deputado à Assembleia Nacional, fala, obviamente, do momento político e da sua visão sobre assuntos diversos através de uma abordagem directa.
Data de Emissão: 12-04-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
 
Café da Manhã com Paulo Gaspar de Almeida

Café da manha com Paulo Gaspar de Almeida, Ex. comandante geral da Policia Nacional.

Data de Emissão: 29-03-2022 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã com Ana Margoso
 
Hoje o café foi tomado com Ana Gonçalves da Silva ou simplesmente Ana Margoso.
Nascida em Luanda, Filha de um veterano da luta de libertação nacional, o lendário comandante Margoso, Ana, lembra momentos passados com o pai, desvenda mistérios, fala do presente e futuro, da política ao jornalismo.
PARTICIPANTES
Café da manha com Irene Graça
 

Irene Graça-Dir. do Capital Humano do BAI. Angolana, Formada em Psicologia e recursos humanos, Formou-se nos EUA, Trabalhou na CHEVRON, deu aulas na escola Mutu -ya-kevela, dentre as suas paixões consta a Fotografia.

Data de Emissão: 15-03-2022 às 07:00
Género(s): Comentário
 
PARTICIPANTES
Café da manha com Elias Dia Kimuezo

Café da manha com Elias Dia Kimuezo

Data de Emissão: 01-03-2022 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Café da manhã com Com. Luís Prata
Café da Manhã com Rui Falcão Pinto de Andrade
Café da Manha com Manuel Pinto da Costa
Café da Manhã com Lazarino Poulson

Lazarino Poulson é o convidado a edição do café da manhã.

Formado em Direito pela Universidade A. Neto, Pós Graduado em Direito de comercio Internacional, Mestrando na área do Direito público pela Universidade Clássica de Lisboa, e foi Docente das Universidade  António Agostinho Neto e Lusíadas de Angola

.

Entrevista com Manuel António Gonçalves

Edição com Manuel António Gonçalves, Dir. Provincial da Cultura de Luanda-Turismo, juventude e Desporto.

Data de Emissão: 25-01-2022 às 07:00
Entrevista com Manuel Rui Monteiro
Manuel Rui Monteiro escusa apresentações. Mais que uma entrevista, conversa com o escritor e homem de direito. Manuel Rui.
Data de Emissão: 18-01-2022 às 07:30
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Manuel Rui Monteiro
Café da Manhã com Aurelio Le Bom

Aurelio Le Bom, Figura de Grande referencia em da República de Moçambique, Fez parte do 5º Regimento de Comandos do Exercito Portugues, no tempo Colonial.

Data de Emissão: 14-12-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
Entrevista com Ramos Dias
 

Café da Manhâ de hoje, 07 de Dezembro, trás a entrevista a Ramos Dias, Um Nacionalista São Tomense.

Data de Emissão: 07-12-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): São Tomé
Café da Manhâ com Maria Nazaré de Sousa

Maria Nazaré de Ceita, Nasceu em São Tomé e Princepe, E viveu alguns anos em Angola. Historiadora e Docente Universitária.

Data de Emissão: 30-11-2021 às 07:00
Café da Manhã com Mbeto Traça
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã, Edição com Maria das Neves Ceita Baptista de Sousa

Café da Manhã, Edição com MARIA DAS NEVES CEITA BAPTISTA DE SOUSA, é hoje uma mulher com espaço afirmado na vida política da República de S.Tomé e Príncipe. A actual candidata derrotada nas últimas eleições presidenciais, cedo militou na vida política pelo MLSTP – Movimento de Libertação, foi Vice-presidente da Assembleia Nacional e Primeira-ministra. 

Data de Emissão: 16-11-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): MARIA DAS NEVES CEITA BAPTISTA
Café da Manhã, Edição com Elisa Viera

Café da Manhã, Edição de 09 de Novembro, com ELISA VIERA. Hoje Professora na Universidade Eduardo Mondlane, em Moçambique, filha de Nino Vieira, antigo Presidente da Guiné Bissau, morto e esquartejado diante da esposa, concede, pela primeira vez na vida da família, uma entrevista onde fala dos principais momentos vividos ao lado do pai, as últimas conversas mantidas e o que aconteceu depois da morte.

Data de Emissão: 09-11-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): ELISA VIERA, filha de NINO VIEIRA
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Alberto Joaquim Chipande

Café da Manhã com de 26 de Novembro de 2021, com ALBERTO JOAQUIM CHIPANDE, Nascido a 10 de Outubro de 1939, é uma figura no centro da história moçambicana dos últimos 60 anos. Autor, segundo consta, do primeiro disparo que marcou o início da luta armada de libertação nacional, é um General reformado muito respeitado e um grande articulador político,membro da Frelimo.  

Data de Emissão: 26-10-2021 às 07:00
Género(s): Noticiário
 
PARTICIPANTES
Café da Manhã com Alda Bandeira

Café da manhã edição de 19 de Outubro de 2021, Edição com Alda Bandeira, Politica nascida em S.Tomé e com uma passagem por Angola onde fez os seus estudos Primarios entre 1972/74, foi membro do Movimento de Libertação de S.Tomé e princepe, chegou a ser Ministra dos Negocios Estrangeiros.

Data de Emissão: 19-10-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Alda Bandeira, São Tomé
Café da Manhã com Aniceto Amukuaia

Café da Manhã, Edição de 12 de Outubro de 2021, com Aniceto Amukuaia, Politico Estudioso e Advogado. 

Data de Emissão: 12-10-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Aniceto Amukuiaia
Café da Manhã com Aurelho Garcia Cardoso

Café da Manhã, Edição de 05 de Outubro de 2021, com Aurelho Garcia Cardoso. Professor, Pastor e Político de 92 anos de idade.

Malanje, Ngulungo Alto, Luanda e Libolo, localidades revisitadas com lucidez e encanto.
Data de Emissão: 05-10-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Aurelho Garcia Cardoso
PARTICIPANTES
Café da manha, Edição com Filinto Costa Alegre

Café da Manhã, Edição de 28 de Setembro de 2021, com Filinto Costa Alegre, Um dos Pioneiros das Revoluções que aconteceram em São Tomé e Princepe, país onde nasceu.

Data de Emissão: 28-09-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Felinto Costa Alegre, São Tomé
Café da Mnhã com Leonel Mário Dalva

Café da Manhã, Edição de 21 de Setembro de 2021, com Leonel Mário Dalva, foi o Primeiro Ministro no governo de transição em São Tomé e Princepe.

Data de Emissão: 21-09-2021 às 07:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Leonel Mário Dalva, São Tomé
Café da Manhã com Manuel Pinto da Costa

Café da Manhã, Edição de 14 de Setembro de 2021, com Manuel Pinto da Costa.

Com estudos feitos no seu país, Luanda e Berlim, Pinto da Costa (86), foi o primeiro Presidente da República Democrática de S.Tomé e Príncipe.
Durante quase duas horas conversamos sobre a história deste lindo país, envolto nas suas contradições e contrariedades mas firme na convicção de querer e poder ser uma referência de bem estar, progresso e harmonia.
Data de Emissão: 14-09-2021 às 07:00
Café da manhã, edição com Hermínio Escórcio
  •  

Hermínio Joaquim Escórcio, nasceu a 1 de Junho de 1936, na cidade do Lobito, província de Benguela.   

Formou-se em Estudos Económicos, Administração e Relações Pública.  

Aderiu ao MPLA na clandestinidade e participou do processo de Libertação Nacional desde 1958.

Foi preso político, julgado e condenado por um tribunal especial militar por imposição da Polícia Política Portuguesa (PIDE) de 1963 a 1974. Fez parte da delegação do MPLA que negociou as tréguas com os portugueses nas chanas de Liamege, na província do Moxico. 

Coordenou a comissão de recepção da primeira delegação do MPLA dirigida por Lúcio Lara.  Exerceu, também, cargos de secretário pessoal do Presidente António Agostinho Neto – 1974/75. 

Foi director do Protocolo e Património da Presidência da República e director Geral da Sonangol.  

Exerceu as funções de embaixador de Angola em vários países, tendo cumprido a última missão na Argentina.

Relacionados