"João2Pontos" com Manuel Videira
«João2Pontos» na Rádio MFM.
«Angola: um intelectual na rebelião» é o livro de memórias de Manuel Videira apresentado recentemente em Lisboa com o prefácio do historiador Jean-Michel Mabeko-Tali.
As memórias de Manuel Videira contam-se desde os seus tempos de liceu, as suas origens, passando pela sua participação na luta pela libertação do país, Angola, a sua prisão, o exílio até ao regresso a Luanda muitos anos depois.
Um dos mais influentes membros da revolta activa, o que lhe terá custado dois anos na cadeira logo a seguir a independência e um conflito ideológico com Nito Alves que viria a ser morto depois na chamada intentona golpista do 27 de maio de 1977.
Sobre política diz apenas que o MPLA, o seu partido, é ainda o partido mais forte em Angola em oposição aos outros partidos para quem falta-lhes consistência para chegar ao poder. E sobre o 27 de Maio de 1977 não gosta muito de falar.
 
 

A biografia, contada na primeira pessoa e sem censura, da luta por uma Angola livre, está retratada no livro “Angola, Um Intelectual na Rebelião” da autoria Manuel Videira, que foi lançado no dia 14 de outubro,  no auditório da UCCLA.
Com a chancela da Guerra e Paz Editores, a apresentação da obra estará a cargo de Adolfo Maria e Jean-Michel Mabeko-Tali.

Sinopse:


Quando a bota do colonialismo calcava Angola, jovens idealistas atreveram-se a ser livres. Manuel Videira foi um deles. Estudante de medicina na Universidade de Coimbra, vindo de barco da sua Angola natal, junta-se a outros africanos na mítica Casa dos Estudantes do Império e embarca na luta pela libertação da pátria. Sem olhar para trás. Da espectacular fuga de mais de cem estudantes africanos para França, passando pelo Congo recém-independente ou pela Argélia livre, Manuel Videira viu um país nascer em directo – e ajudou no parto.
Esta é a história, contada na primeira pessoa e sem censura, da luta por uma Angola livre. O exílio no Congo, as divergências entre os movimentos independentistas, as lutas de poder internas no MPLA, os treinos militares em campos secretos na Argélia, a guerrilha na Frente Leste, a Revolta Activa, o racismo, os dias alegres da independência e as desilusões e a repressão que se seguiram.
 
"João 2 pontos" Com Paula Roque
 

 

“João2Pontos” recebe na edição  a investigadora do Instituto de Segurança da África do Sul, a Dra. Paula Roque.

Autora do livro sobre o papel na governação dos serviços de segurança e inteligência de Angola, Paula Roque analisa a política nacional, o resultado do primeiro mandato do Presidente João Lourenço, as eleições, o MPLA e a UNITA e o papel da sociedade civil.

“João2Pontos” com Abel Chivukuvuku

Neste edição, o entrevistador é o Jornalista Manuel Viera.

Data de Emissão: 2021-09-21 08:00:00
Género(s): Entrevista
 
"João 2 Pontos" com Isabel dos Santos

Entrevista de 18 de Setembro de 2020 a Isabel dos Santos 

 

 

 

Em Setembro de 2020, a filha de José Eduardo dos Santos, falando aos microfones da Rádio MFM, afirmava que “irritou muita gente” ao anular contratos que, na sua óptica, lesavam a Sonangol, entre os quais os da seguradora AAA, que tinha a testa o luso-angolano Carlos São Vicente, revelando existirem contas com muito dinheiro de pessoas ligadas à petrolífera e pedia uma auditoria para revelar o “esquema”.

A empresária realçou na mesma entrevista que apresentou o diagnóstico ao executivo da altura, presidido por José Eduardo dos Santos, tendo também dado conhecimento ao então candidato à Presidência angolana João Lourenço, que a viria a exonerar quase 1 ano e seis meses depois de estar a liderar a petrolífera.

Uma das tarefas que Isabel diz ter assumido aquando da sua nomeação na Sonangol, era a de “combater a corrupção” que existia na empresa, identificar para onde o dinheiro estava a ir e porque é que a petrolífera estava a perder tanto dinheiro, tendo-se apercebido que havia uma sobrefaturação em vários contratos.

“Os custos não eram os do mercado. A partir daí, fizemos muitos cortes e o que me espanta é que depois da minha exoneração uma grande parte destes contratos que eu já tinha anulado foram outra vez renovados, alguns com as mesmas empresas ou se não com as mesmas empresas, com as mesmas pessoas, que criaram empresas novas e sempre com os mesmos preços altíssimos”, declarou.

Entre os casos de sobrefaturação estavam os contratos de seguro firmados com a seguradora AAA, do empresário Carlos São Vicente, que em Setembro de 2020, foi constituído arguido pela Procuradoria-Geral da República de Angola por suspeitas de peculato e branqueamento de capitais, entre outros crimes, tendo uma das suas contas bancárias, onde estavam depositados 900 milhões de dólares (cerca de 760 milhões de euros), sido congelada pelas autoridades suíças.

Sonangol podia poupar 70% com os seguros

Segundo Isabel dos Santos, concluiu-se que a Sonangol podia poupar 70% com os seguros e fez um novo contrato “com valores muito mais baixos”, com outra empresa.

“Se me espanta haver contas bancárias com tanto dinheiro? Não me espanta e acho que não deve ser a única conta bancárias de pessoas ligadas à Sonangol que tem muito dinheiro e este não deve ser se calhar o único caso”, sublinhou.

A ex-PCA da Sonangol afirmou que havia entre 400 e 500 milhões de dólares (cerca de 340 a 420 milhões de euros) a mais por ano a serem pagos pelos seguros dos petróleos, o que ao longo dos dez anos em que a petrolífera estatal foi parceira da AAA significa perdas potenciais num total 4 ou 5 mil milhões de dólares (3,4 a 4,2 mil milhões de euros).

A este valor somam-se perdas enquanto accionista, já que a Sonangol esteve na origem da criação da AAA, uma participação “que foi diluída com o tempo” mas cuja compensação não foi demonstrada, disse.

“As contas não são transparentes, não sei se foram apresentadas, nunca as vi”, afirmou Isabel dos Santos, defendendo a necessidade de ser feita uma auditoria às contas da AAA e da Sonangol.

“Se esses 900 milhões, quase um bilião [mil milhões] de dólares que estão nessa conta são dividendos das AAA, quanto é que a Sonangol ganhou de dividendos em relação à AAA e porque é que a Sonangol não acompanhou os aumentos de capital e se deixou diluir, se o negócio era bom”, questionou.

Isabel dos Santos, que exonerou Carlos Saturnino do cargo de presidente da comissão executiva da Sonangol Pesquisa & Produção, foi posteriormente substituída por este na presidência do Conselho de Administração, que pediu uma auditoria à gestão da sua antecessora. Carlos Saturnino foi entretanto exonerado, em Maio de 2019.

Data de Emissão: 18-09-2021 às 08:00
PARTICIPANTES
"João2Pontos" com o Escritor José Eduardo Agualusa
“João2Pontos” recebeu nesta edição  o meu amigo e escritor José Eduardo Agualusa .
Autor das mais variadas obras premiadas, o meu convidado “afastou-se” (eu o afastei) da literatura para analisar o actual momento político do país.
A chegada a Angola de José Eduardo dos Santos num clima de crispação política entre os dois principais partidos do país, os desafios do Presidente João Lourenço entre o adversário político, o MPLA e a governação, a perda de identidade do maioritário serão alguns dos temas deste “João2Pontos”.
 
Data de Emissão: 2021-09-17 08:00:00
"João2Pontos" com Francisco Pinto Leite

“João2Pontos” entrevistou o Director-geral da ITA -Internet Technologies Angola, Francisco Pinto Leite .
As telecomunicações em Angola, o ranking do país em África e os investimentos em infraestruturas são os principais tópicos desta conversa.

 

Entrevista com o escritor Alberto Oliveira
Data de Emissão: 2021-08-20 00:00:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Historia de Angola
Entrevista com Carlos Soares
 
Data de Emissão: 2021-08-06 00:46:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): SociedadeTecnologia de Informação
PARTICIPANTES
“João2Pontos” com Filomeno Vieira Lopes
Data de Emissão: 2021-07-16 08:00:00
Género(s): Entrevista
 
"João2Pontos" com o Professor Doutor Carlos Feijó

“João2Pontos ” entrevista o  Professor Doutor Carlos Feijó, para falar dos principais sublinhados da revisão ordinária parcial da Constituição.

Com autoridade sobre a matéria, o Professor Carlos Feijó fala das liberdade economicas e, sobretudo, da melhor redacção do documento que já foi remetido ao TC pelo Presidente da República.

 8 de Julho

“João2Pontos” com Vice-Procurador Geral da República, Doutor Mota Liz

“João2Pontos” com Vice-Procurador Geral da República, Doutor Mota Liz

O novo Código Penal e o Código do Processo Penal, o Combate contra a corrupção e o processo movido contra o jornalista de investigação Carlos Alberto são os principais temas deste “one-on-one”.

 

PARTICIPANTES
“João2Pontos” com Professor e Investigador Rui Verde

O programa “João2Pontos” com  Professor e Investigador Rui Verde, colaborador do sitio da internet Maka Angola.

O Professor e investigador da universidade de Oxford defende que o presidente João Lourenço deve alterar totalmente a perspectiva do seu combate contra a corrupção.

Os resultados deste combate não representaram o sucesso desejado por falta de capacidade técnica das autoridades judiciais e, uma intervenção muito politizada deste processo.

Sobre a revisão da constituição, apesar de defender que era muito cedo para a sua alteração, o MPLA deve mudar alguns dos pontos essenciais da proposta.

Data de Emissão: 2021-06-18 08:00:00
"João2Pontos" com o Arquitecto Troufa Real
“João2Pontos ” conversa nesta edição  com o Arquitecto Troufa Real.
Nascido em Luanda, conhecedor das profundezas da arte arquitectural de Luanda antes e depois da independência, o “Mano Zeca” fala sobre a gestão dos resíduos sólidos (um problema que, para ele, transcende a Governadora Joana Lina), dos complexos problemas de Urbanização de Luanda (os musseques não são e nunca foram um problema em si mesmo) e da sua relação com Angola.
Acompanhe a conversa com um dos mais reputados arquitectos da lusofonia e além.
É na Rádio MFM nos 91.7 em frequência modulada. Das 08:00 as 09:00.
PARTICIPANTES
“joão2pontos” com o Advogado João Gourgel

Nesta entrevista  o Advogado João Gourgel, debruçar-se sobre o Julgamento do o ex-director do extinto Gabinete de Revitalização da Comunicação Institucional e Marketing da Administração (GRECIMA), ex-Ministro da Comunicação Social e deputado Manuel António Rabelais

Data de Emissão: 2021-04-23 08:00:00
“João2Pontos” com o Jornalista Nuno Rogeiro

“João2Pontos ” recebe edição o Jornalista da SIC  Nuno Rogeiro.

O autor da obra de investigação “O Cabo do Medo, o Daesh em Moçambique 2019-2020” analisa os últimos acontecimentos na região, os possiveis efeitos de contágio na SADC e a cooperação da União Africana.

Nuno Rogeiro acompanha muito de perto a situação trágica em Moçambique e,acredira, Angola e África do Sul deveriam fazer mais para ajudar o país do Índico.

PARTICIPANTES
«João2Pontos» com a Professora Doutora Luzia Sebastião

“João2Pontos ” recebe nesta edição  a Professora Luzia Sebastião.

A distinta académica apresentou na última segunda-feira em Luanda, no mesmo dia do seu aniversário, a obra de estudo “A legalidade Penal, Costume e Pluralismo Jurídico: A experiência angolana. O(s) Direito (s) e o(s) Facto(s)” que foi o tema da sua tese.
É doutorada pela Universidade de Coimbra, em Ciências Jurídico-Criminais e licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto (1980-1985).
É para acompanhar das 08:00 as 09:00 na Rádio MFM, nos 91.7 em frequência modulada

PARTICIPANTES
«João2Pontos» com o Tenente Coronel João Bonita Velez

Um dia a joia do império português, Angola foi quase sempre o principal tema da diplomacia portuguesa antes de 1975, nas acções da potência colonizadora no antigo Zaire e nas relações com os Estados Unidos da América.

Marcelo Caetano antes, António de Spínola, depois, dois antigos presidentes de Portugal, o Portugal fascista, tinham uma visão e uma abordagem diferentes em relação a Angola.

Qualquer um dos dois transformou o antigo Zaire de Mobutu na placa giratória para sufocar a guerrilha em Angola liderada pela FNLA, o MPLA e a UNITA.

O Tenente-Coronel Rui Bonita Velez, licenciando em Ciências Militares e Doutor em História Moderna e Contemporânea pelo ISCTE, em Lisboa, é o autor da obra «Caetano, Spínola e Mobutu – As Relações Bilaterais entre Portugal e o Zaíre entre 1968 e 1974».

Na verdade, a história é transversal a Angola naquele contexto, e estruturante para a compreensão dos três movimentos de libertação nacional.

O Tenente-Coronel João Bonita Velez é o meu convidado de «João2Pontos» desta sexta-feira

PARTICIPANTES
“João2Pontos” com o escritor Ondjaki
Data de Emissão: 2021-02-26 08:00:00
Género(s): Entrevista
 
PARTICIPANTES
“joão2pontos” com Piloto e Comandante Osvaldo Mendes

“joão2pontos” com piloto da TAAG Comandante Osvaldo Mendes 

Data de Emissão: 2020-12-04 00:00:00
Género(s): Entrevista
Tópicos(s): Aviação
PARTICIPANTES
"João2Pontos" com o empresário Bartolomeu Dias

JLO entrega obra de Bartolomeu Dias à Omatapalo sem explicação.

O empresário falou exaustivamente dos desafios do país e apresentou soluções sustentáveis para o momento difícil que Angola atravessa.

Ciente do seu papel como empresário há mais de 30 anos, Bartolomeu Dias continua a investir no sector produtivo nacional, sendo que nos próximos dias entrarão em funcionamento duas unidades fabris, como resposta aos desafios do Governo angolano concernentes a necessidade de emprego para a juventude.

Data de Emissão: 2020-10-30 00:00:00
PARTICIPANTES
“João2Pontos” com Historiador Jean Michel Mabeko Tali

“João2Pontos” recebe na sua primeira edição do ano de 2020, o Historiador Jean Michel Mabeko Tali. Um dos mais prolíficos investigadores da história do MPLA, é autor do livro “Guerrilha e Lutas Sociais, o MPLA Perante Si Próprio 1960-1977”.

O MPLA é salvo circunstancialmente pelo MFA português (25 de Abril), Daniel Chipenda era, a par de Agostinho Neto, outro líder forte do movimento. Prevalece Agostinho Neto na circunstância por ser de Luanda e ter mais apoio na capital. Nito Alves foi o maior mobilizador de Neto, mas era odiado por uma ala mais radical do movimento. Neto salvou inúmeras vezes Nito Alves, mas as divergências tornaram-se muito profundas do ponto de vista ideológico.

 O meu convidado recusa-se a falar do papel dos “mulatos e mestiços”, apesar de estar reflectido no livro. Mais importante; os historiadores estão certos sobre a data da fundação do MPLA. O MPLA é que está equivocado. Não entende as razões. Nem mesmo o facto do presidente João Lourenço ter apontado Ilídio Machado como o primeiro presidente do movimento.

Agradecemos a colaboração de edição dos ilustres jornalistas Raimundo Salvador e Luís Costa.

 

Relacionados